domingo, 29 de novembro de 2009

Mini tortinhas de doce de leite (sem massa) com romãs



Estes dias que passaram foram tão cheios e os que virão serão ainda mais cheios. Eu cheia de coisas para fazer mas sem me conformar com o fato do ano ter passado tão rápido. Preciso simplesmente relaxare aceitar vê-lo acabar sem ter feito tudo o que desejaria. No meio da correria, totalmente a mercê das crianças, eu fiz um docinho para me agradar, uma torta de doce de leite. Mas fiz uma torta do meu jeito, uma torta sem massa já que não é segredo para ninguém que eu adoro sobremesas cremosas e densas. No fim todo mundo amou. Servi com romãs pois comprei umas maravilhosas, doce, suculentas, tudo de bom.



Eu gosto de abrir as romãs sem arrebentar nenhum gominho e não perder nada do suco. E para descascar as romãs sem arrebentar basta cortar a coroinha, depois cortar uma cruz bem superficial que corte a pele apenas e então basta ir puxando a pele a partir das partes cortadas. Quando a casca tiver saído é só ir retirando os gomos com as mãos, ou sacodir. Assim é bem melhor do que cortar a fruta ao meio e sacodir as partes para os gominhos cairem. Além de que cortando ao meio arrebenta de cara um monte de gominhos e perde-se muito do suco.



Eu acho as sementes das romãs a coisa mais linda, todas juntinhas, apertadinhas, presas umas as outras. O amor que eu tenho por romãs é de família, foi herdado da família do meu pai. Minha avó e minha tia, a irmão do meu pai, acreditam que romãs podem curar tudo. Romãs são mesmo uma espécie de remédio e serve para aliviar muitas doenças, principalmente infecção na garganta. Sempre que eu vejo romãs, que compro romãs eu me lembro da minha tia, irmã do meu pai, que sempre tem romãs em casa e sempre serve romãs, seguindo o exemplo da sua mãe, minha avó. Romãs também me lembram a Grécia, a ilha de Patmos em especial, onde eu fiquei hospedada numa casa e a minha janela dava para uma imensa árvore de romã carregadinha durante os dias em que eu lá estive.



Tortinhas individuais de doce de leite sem massa

250 gramas de queijo cremoso em temperatura ambiente
300 gramas de doce de leite pastoso
2 colheres de sopa de mel
3 ovos
1 colher de chá de extrato puro de baunilha

Como:

Pré-aqueça o forno a 180C. Num pote coloque o queijo, o doce, o mel, os ovos e a baunilha e bata até formar um creme bem homogêneo e não muito grosso. Divida o creme em cinco potes refratários individuais untados com manteiga. Asse por 20 ou 25 minutos. Ao retirar do forno o centro da torta ainda vai estar molinho, mas as bordas mais duras. Deixe esfriar totalmente antes de colocar na geladeira. Deve ser servida gelada com gomos de romã ou outra fruta da sua preferência.

Obs.

Se assar demais a torta vai perder a consistência cremosa e vai ficar quebradiça. Além disso, depois de muito tempo a torta vai começar a crescer e pode quebrar, como acontece com tortas de queijo em geral, ficando cheia de rachaduras.

Se o seu doce de leite for grosso demais misture um pouco de leite para deixa-lo mais pastoso.




Essas tortinhas não duraram nada. As crianças adoraram e devoraram... É que elas não gostam muito da massa de biscoito das tortinha de queijo e assim, sem massa, fez o maior sucesso.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Eu acredito em amizade virtual...



Hoje recebi duas surpresas deliciosas de três garotas adoráveis que me deixaram totalmente emocionada. Eu até chorei ao abrir os presentes que recebi, preciso confessar, já que não é todo dia que eu recebo presentes tão adoráveis com cartões lindos e cheios de carinho. Vocês me ganharam, me fizeram muito feliz mesmo...




Primeiro preciso frisar que a semana está uma loucura, temos que decidir algo muito importante que pode alterar totalmente as nossas vidas aqui e, além da ansiedade, estamos na maior confusão pois é uma decisão muito importante que precisa ser tomada. Enfim, cheguei em casa, no final da tarde, noite fechada e pedi para o Tormod ir buscar a correspondência na caixa do correio e ele veio com um envelope enorme para mim. Eu pensei: deve ser do meu amigo invisível do AIG. Mas aí eu vi o nome do remetente, Isabel Marques, não ela não é minha amiga invisível, ela é minha amiga visível... isso não estava nos planos... Pois é, a Isabel e a irmão dela, a Cláudia, me fizeram uma surpresa incrível e me mandaram um pacote de polvilho azedo que não existe aqui na Noruega de jeito nenhum. Eu levei um susto tão grande e fiquei tão feliz, mas tão feliz que mudou meu humor e meu entusiasmo.



Fui para a cozinha, fazer o jantar e aí vem o Per com um papel na mão me dizer que no meio das outras correspondências havia mais uma surpresa para mim. Um comunicado do correio de que havia um pacote para ser retirado na loja, uma caixa que não cabia na caixa do correio e, por isto, deveria ser retirada. Depois do jantar fomos ao correio (somos premiados e nosso correio fecha a meia noite). Eu estava certa de que era meu amigo invisível quem me mandara alguma coisa. E, para a minha surpresa, o pacote não era do AIG, era da Flávia Pantoja. Eu sabia que a Flávia tinha me enviado castanhas do Pará produzidas pelo pai dela na Amazônia, mas tinha me esquecido totalmente. E quando eu vi o pacote no correio eu fiquei muito feliz, muito feliz mesmo. Além dos pacotes de castanhas ela me mandou uma caixa de matte leão que eu, como boa carioca que sou, amo de paixão.



Isabel e Cláudia me mandaram um cartão maravilhoso, japonês, com flores lindíssimas, totalmente meu estilo. Acertaram no alvo. Na verdade não poderia haver nada que eu quisesse mais do que um pacote de polvilho azedo. O resultado do pão de queijo e do biscoito de polvilho feitos com o polvilho azedo é muito diferente daquele obtido com o polvilho doce, naturalmente, já que os dois polvilhos são para usos distintos e simplesmente não dá para fazer pão de queijo, nem biscoito, com polvilho doce... Graças as minhas amigas portuguesas tão queridas eu vou poder abusar no pão de queijo este final de ano...



Assim como a Isabel e a Cláudia, a Flávia me mandou um cartão lindo com uma foto do redentor e o do céu do Rio. Eu amei e não posso esperar para começar a usar meus presentes na cozinha. Garotas, vocês foram maravilhosas, me deixaram muito feliz e ainda confirmam a minha tese de que a internet é um canal de relacionamento maravilhoso e que está mudando a minha vida.



No final das contas os dois adoráveis presentes estão servindo como sinal e, de certa forma, me ajudando tomar a tal decisão que precisa ser tomada. Uma coisa incrível como a vida funciona e como pessoas que não se conhecem pessoalmente podem se sentir tão próximas e queridas. Eu amo minhas amigas virtuais como se as conhecesse desde criancinha... mesmo as que não me mandam presentes!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Gelatina de amburana com pera e paçoca de amendoim



Como escrevi no último texto, eu ando super ocupada, com a mente preocupada com tantas tarefas para finalizar, super confusa em relação a umas decisões que preciso tomar e enquanto eu fico perdida os dias passam voando. Resultado: eu simplesmente me recuso a aceitar que o Natal já está ali na esquina. São tantas coisas para fazer antes do Natal que ouvir falar de Natal me dá nervoso. Fora isto o desespero do fim de ano, frio aumentando, noites sem fim, ruas geladas e perigosas para andar e para conduzir, cabelo descabelado e arrepiado o tempo todo por causa do uso diário de boinas e gorros. E eu ando destestando minhas roupas de inverno, mal comecei a usar e já quero deixa-las de lado, estou de bode com botas e casacos, que cansaço.



Para complicar eu ainda estou com vários textos começados e pendurados para o blog, mas para encerrar o silêncio resolvi simplificar e publicar uma receita simples. Mais uma receita de gelatina com sementes de amburana. Eu sei que me repito demais, mas faz parte do meu show. Eu cozinho mesmo o que eu gosto e eu estou amando comer gelatina de leite cozido com sementes de amburana e depois gelatinado. Minha sobremesa favorita do momento. E faz um bem para o estômago que vocês nem imaginam. Para acompanhar eu cozinhei umas peras holandesas do tipo Conference numa calda de açúcar com algumas sementes de amburana. As peras estão super baratas estes dias e custando 1/5 do preço normal e eu estou abusando delas. Estas peras estavam um pouquinho duras, apesar de saborosas e isso ajuda na hora de cozinhar na calda.



Tenho experimentado umas receitas novas de biscoitos e estou pensando em repetir o que eu fiz ano passado e assar sete biscoitos típicos para comemorar o solstício de inverno, ou seria o Natal? Tanto faz. Mas ainda não estou totalmente decidida pois foi um evento cansativo, apesar de útil pois eu pude oferecer muitos biscoitos de presente. Assim que eu me decidir eu aviso e darei as datas, assim terei muitos biscoitos para dar de presente este ano também. Eu tentei fazer uns biscoitos para dar de presente no evento do AIG mas fiz um teste e eles não resistiram bem nem dois dias. Fiquei cismada de mandar biscoitos moles ou quebrados de presente. Para falar a verdade, achei bem difícil pensar alguma coisa para fazer e enviar de presente pelo correio. Como no ano passado, os biscoitos que serão assados este inverno vão circular aqui pela área apenas...





Gelatina de amburana com pera e paçoca de amendoim


1,5 litro de leite integral (use desnatado se preferir)
15 sementes de amburana
1 copo de 200ml de açúcar ou mel (use a quantidade que preferir)
6 colheres de chá de gelatina em pó ou 6 folhas de gelatina

Como:

Amoleça a gelatina em folha em água ou dissolva a gelatina em pó em algumas colheradas de leite. Coloque o leite, as sementes de amburana e o açúcar (ou mel) numa panela de fundo grosso sobre fogo médio e mexa até ferver. Quando ferver retire a panela do fogo, adicione a gelatina e mexa bem vigorosamente para dissolver a gelatina totalmente. Volte a panela ao fogo e deixe ferver novamente. Passe pela peneira para retirar as sementes, descarte as sementes e divida a mistura em potes ou taças do tamanho que desejar e leve para gelar por 4 a 6 horas antes de servir. Sirva com frutas em compota, um fio de mel e paçoca de amendoim triturado com um pouco de açúcar e aveia em pó.

Rende cerca de 8 porções.




Peras em calda de açúcar


4 peras descascadas, cortadas ao meio e sem sementes
2 xícaras de água
1 xícara de açúcar
3 sementes de amburana, use raspas de uma fava de baunilha ou canela em pau se preferir

Como:

Coloque o açúcar, a água e as raspas de baunilha, ou sementes de amburana, numa panela de fundo grosso e sobre fogo médio deixe ferver e cozinhar por cerca de 5 minutos. Adicione as peras, uma a uma, com cuidado, deixe ferver por cerca de 15 minutos ou até ficarem levemente transparentes. Desligue o forno e deixe esfriar totalmente antes de servir. Se estiver usando sementes de amburana, retire as sementes e descarte.



sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Tertuliando: rocambole de chocolate aos dois brigadeiros



Eu adoro a Moira, a dona do Tertúlia de Sabores, aquelas coisas estilo "nunca te vi sempre te amei" que só a internet é capaz de proporcionar. Exatamente isso. Quando ela convocou seus leitores para celebrar o aniversário do blog eu me animei na hora mesmo sabendo que eu sou difícil com datas e compromissos, adoro uma vida sem agendas. Mas, enfim, resolvi "tertuliar" e aqui estou eu, "tertuliando". Para celebrar resolvi escolher uma receita que falasse comigo e enquanto eu procurava me lembrei que tinha guardado a receita de uma sobremesa que me cativou na hora que eu vi. Claro que seria uma sobremesa, que eu já desisti de pratos salgados. Se tem uma coisa que não me emociona são sopas, assados e "cozinhados" salgados diversos. Por isso eu escolhi esta receita para tertuliar.




A receita original é um rocambole de chocolate recheado com um doce de limão que é na verdade uma espécie de "curd" de limão (aquele doce amanteigado dos ingleses) com uma cobertura de chocolate ao rum. Moira usou na receita dela uma ganache de chocolate. Eu delirei e recheie o meu rocambole com brigadeiro de limão e cobri com brigadeiro de chocolate. Abrasileirei totalmente o doce e batizei-o de rocambole.



As últimas modificaçoes foram de forma, e não de conteúdo, já que não segui as instruções para preparar a massa e preparei meu rocambole como pão de ló, separei as claras das gemas, não usei fermento e usei menos açúcar. Por fim, ao invés de usar amêndoas fatiadas, eu cobri o meu rocambole com uma paçoca de amêndoas, acentuando ainda mais a brasilidade do doce, como se para ser brasileiro já não bastasse ele ter sido feito por mim.




Rocambole de chocolate com recheio de brigadeiro de limão e cobertura de brigadeiro de chocolate

A receita da Moira você encontra aqui: Receita para tertuliar, a minha você pode ler abaixo...

Massa do rocambole

4 ovos separados
50 gramas de açúcar
50 gramas de farinha de trigo
30 gramas de cacau em pó sem açúcar
pitada de sal
2 colheres de sopa de água (usei fria)


Como:

Aqueça o forno a 180C. Coloque as claras e o sal num pote e com a batedeira bata até elas ficarem em neve, bem duras e reserve. Num outro pote bata as gemas com o açúcar até esbranquiçar e dobrar o volume. Peneire a farinha e o cacau. Adicione metade da mistura de farinha e cacau às gemas bata para incorporar. Adicione a água e bata mais um pouco e adicione então a segunda parte da farinha com cacau às gemas. Por fim adicione as claras à mistura de cacau e gemas e mexa com uma espátula para não reduzir demais o volume da massa. Coloque a massa numa forma retangular média untada e forrada com papel manteiga também untado com manteiga. Asse por 25 minutos a 180C ou até que um palito saia seco. Deixe esfriar levemente e transfira para uma superfície limpa, sobre uma folha de papel manteiga limpa. Coloque o recheio que preferir, no caso eu usei um brigadeiro de limão. Depois de recheado enrole a massa, com a ajuda do papel e deixe repousar coberto por alguns minutos. Cubra com a cobertura na hora de servir.

Dica: deixe a massa enrolada com papel ou uma toalha limpa até a hora de servir, desse modo evita que o rocambole fique seco demais.




Brigadeiros de limão e de chocolate


Brigadeiro de limão:

200 ml de leite condensado
200 ml de leite desnatado
1 colher de sopa de manteiga
suco e raspas de meio limão verde

Brigadeiro de chocolate:

200 ml de leite condensado
200 ml de leite desnatado
1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de cacau em pó

Como:

Primeiro faça o brigadeiro de limão e deixe esfriar para rechear. Leve os leites, a manteiga, o suco e as raspas de liµao ao fogo médio e com uma colher de pau mexa até que a mistura ferva. Deixe cozinhar por mais 10 a 15 minutos ou até que a mistura engrosse e cubra a colher com uma camada grossa de creme. Retire do fogo e deixe esfriar. Repita a operação na hora de fazer o brigadeiro de chocolate.



Como era de se esperar o rocambole foi um sucesso aqui em casa, acabou em tempo recorde, sem chance de sobras para fotografar amanhã. Foi tudo num instante e as crianças já pediram bis.

Moira, feliz aniversário para o Tertúlia... e obrigada pela receita!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Gelatina de leite de coco com salada de kiwi e tangerina



Meus dias estão uma loucura, uma confusão atrás da outra, fim de ano, festas, festas e mais festas, reuniões, conferência de pais na escola, feira de natal, AIG, sim o presente do AIG foi postado hoje, ufa, uma semana só para empacotar. Estava tudo pronto mais foi tanta confusão para decidir como empacotar e depois da confusão, a dúvida. O pacote ficou pesado demais, frágil demais, eu estava insegura, vai quebrar tudo, amassar tudo, destruir tudo e fui refazer. E o pacote ainda custou mais caro do que os presentes, sim, e olha que o presente em si custou bem mais do que o mínimo sugerido, mas o pacote custou muito mais do que o presente. Uma loucura o preço dos correios, enfim, agora isto é passado, estamos em festa, eu adoro pacotes. Espero que agrade as presenteadas...



Estou as voltas com um outro evento, o aniversário de um blog português que eu adoro, será que vocês adivinham qual é? E talvez ainda volte mais tarde com minha surpresa para a Moira. Mas eu tinha esta gelatina de leite de coco pronta para publicar e resolvi soltar tudo logo. Nada de guardar postagem. Esta gelatina poderia ser chamada de panna cotta, uma falsa panna cotta já que não leva creme, apenas leite e leite de coco. Fácil, leve e perfumada. Como dá para ver eu adicionei raspas de meia fava de baunilha o que deu um tchan no sabor do leite de coco. Eu gosto de adicionar baunilha em tudo, sou totalmente fascinada por esta fava...



Eu coloquei as gelatinas em xícaras, mas desenformei na hora de servir. Para acompanhar eu fiz uma saladinha de kiwi e tangerina que fez um par maravilhoso com o sabor do leite de coco e baunilha. Mas dá para servir nas xícaras mesmo e fica uma espécie de falsos "potes de creme". Desenformar é facílimo, basta passar uma faquinha na borda da xícara e enfiar o fundo da xícara na água quente. Dá uma balançadinha, vira num prato e ela sai sem problemas. Se não quiser sair molhe um pouco mais ou sacuda com um pouquinho mais de força...



Gelatina de leite de coco com salada de kiwi e tangerina


200 ml de leite de coco integral
400 ml de leite desnatado
125 ml (meio copo de 250ml) de açúcar
raspas de meia fava de baunilha (use extrato se preferir)
3 colher de chá de gelatina em pó ou 3 folhas
3 kiwis picadinhos
3 tangerinas picadinhas

Como:

Numa panela de fundo grosso coloque o leite de coco, 350 ml do leite, as raspas de baunilha (se for usar extrato adicione no final) e o açúcar cozinhe em fogo médio até ferver. Enquanto o leite cozinha amoleça a gelatina no leite restante. Se for usar folhas de gelatina amoleça-as em água. Quando a mistura de leite de coco ferver retire a panelinha do fogo e adicione a gelatina amolecida e mexa bem para dissolver a gelatina totalmente. Volte a gelatina ao fogo se precisar de mais calor para dissolver. Distribua a mistura em tacinhas ou xicaras de café. vidro. Deixe esfriar e leve para gelar por pelo 3 horas antes de servir. Sirva com uma salada feita de kiwis e tangerinas.


Rende 6 porções.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Chocolate em dose dupla para levantar a moral...



Não precisa dizer muito. Para entendedores meia palavra basta, ou melhor, meia frase basta: chocolate... moral... vida melhor. Sim, para mim a vida melhora com chocolate. Em todos os sentidos. Aqui, nesta esquina do planeta, nada pode ser mais revigorante para enfrentar dias gelados e escuros, muito escuros. São quase nove da manhã mas a noite insiste em ficar por aqui e me fazer companhia. Eu não consigo tomar café da manhã enquanto o dia não clareia. Fiquei assim de repente, deixei de ter vontade de comer enquanto está escuro lá fora, simplesmente não rola. A fome só chega quando o dia raia de verdade. E ainda estamos no meio de novembro, daqui até o final de dezembro ainda tem muito chão para o escuridão... Chocolate nela, chocolate e doces de ovos, muitos ovos com chocolate...



O bolo é aquela coisa de sempre, uma mousse (chocolate com ovos e manteiga) assada que vira um bolo tipo fondant que é um sonho de inverno pois é denso e melhor se comido quente. Mas pensando melhor, bolo de chocolate escuro denso se encaixa perfeitamente em qualquer situação da vida. Assim como um suspiro de chocolate amargo. Faz tempo que vinha tentando achar a fórmula do suspiro de chocolate perfeito, e achei. Aqueles suspiros com cacau em pó puro ficam bons, mas amargam de um jeito que as crianças não aceitavam. O segredo é usar uma bela barra de chocolate na mistura de claras e açúcar e deixar o pó de cacau de lado. Ficou uma coisa de louco e consegui fazer as crianças gostarem de suspiro de chocolate. Finalmente um suspiro de chocolate para arrebatar multidões, se joga...



Bolo fondant de chocolate

125 gramas de chocolate amargo (usei com 70% de cacau)
100 gramas de manteiga (usei com sal)
3 ovos
1/2 copo de 250ml de açúcar (use mais ou menos se preferir, mas não muito menos)
2 colheres de sopa de farinha de trigo
1 colher de chá de extrato de baunilha, um pouco de café forte ou licor de sua preferência(opcional)

Como:

Aqueça o forno a 180C. Unte quatro forminhas individuais refratárias para suflê ou pudim ou um refratário pequeno com manteiga, salpique um pouco de açúcar e reserve. Em banho maria derreta o chocolate com a manteiga. Bata os ovos com o açúcar até incorporar bem. Adicione a baunilha, café ou licor se for usar e bata para incorporar. Adicione a mistura de chocolate e manteiga e bata para incorporar. Por fim adicione as duas colheres de farinha para dar uma liga. Mexa até incorporar e distribua a massa nos potinhos ou no pote preparado. Leve para assar por uns 20 minutos ou até que enfiando um palito ele saia seco. Sirva com uma bela colherada de iogurte.

Cuidado para não assar demais e secar muito o bolo.

Rende 4 porções pequenas



Suspiro de chocolate dos meus sonhos


3 claras (cerca de 90 gramas)
1 copo de 200ml de açúcar (cerca de 180 gramas)
80 gramas de chocolate amargo (usei com 70% de cacau)

Como:

Forre duas formas grandes com papel manteiga e reserve. Derreta o chocolate em banho maria e deixe esfriar. Misture as claras com o açúcar e comece a bater com um batedor de mão num pote sobre banho maria até que a mistura alcance cerca de 60C no termômetro. Usei termômetro de carne mesmo pois não tenho de doce. Se você souber a temperatura que precisa enfie o termômetro de assados (lavado, claro!) no açúcar e confira, não é a melhor solução mas ajuda. Remova do banho maria e com uma batedeira bata bem até formar um suspiro duro mas não muito seco (eu deixei secar um pouco demais). Adicione por fim o chocolate derretido e com uma espátula mexa suavemente para incorporar o chocolate sem que as claras não percam volume. Mexa até incorporar totalmente. Se por acaso você bateu demais a massa do suspiro vai começar a secar nas bordas, mas não se desespere, prossiga transfirando para um saco de confeiteiro e forme suspiros no formato que desejar nas formas preparadas. Eu fiz uns círculos que cresceram demais e ficaram com cara de outra coisa. Se preferir faça bolinhas com uma colher ou corte a ponta de um saco plástico e forme apenas umas pontinhas no papel.

Asse a 140C se forem suspirinhos bem pequenininhos, ou 150C se forem maiories, por 10 minutos. Quanto mais baixa a temperatura menor a chance dos suspiros racharem ou quebrarem. Quando prontos os suspiros soltam do papel sem nenhuma dificuldade.

Rende cerca de 50 suspiros grandes.

Obs. A quantidade de açúcar é normalmente duas vezes a de claras. Então calcule a partir da quantidade de claras que você tenha disponível no momento.


domingo, 15 de novembro de 2009

Mousse de laranja e graviola com a cabeça no Rio...



Com a cabeça no Rio eu fiz esta mousse. É que em fevereiro estarei no Brasil, dividindo o curto mês de fevereiro entre Rio e São Paulo. Claro que vou passar o Carnaval no Rio e isto é tudo o que eu sei sobre a viagem até o momento. Com a passagem na mão eu fico bem mais relaxada para gastar meu estoque que brasilidade todinho. Vou viajar sozinha o que significa que na volta não vou poder encher e trazer o mesmo volume de coisas já que Per é o grande incentivador e carregador de tralhas. Mesmo assim eu estou gastando por conta, bebendo mate todos os dias, cozinhando e bebendos os licores, moendo as castanhas e me enchendo com a melhor goiabada caseira que Minas Gerais pode produzir com queijo graddöst. Goiabada é definitivamente minha pièce de résistance, como dizem os franceses.



Em meio a tantos exageros fiz uma moussezinha onde a estrela é um licorzinho de graviola singelo que eu trouxe do Ceará onde, infelizmente, não irei visitar desta vez. O Brasil é um gigante e nem de longe eu posso visitar todos os cantos que eu gostaria. Mas acho que dá para comprar ou encomendar os licores e cachaças do Artesanato Mamulengo pela internet sem qualquer problema. As garrafas do Mamulengo são o máximo, feitas por artesãos de todo o Ceará, mas o maior dificuldade para carregar com as terríveis regras de segurança dos aeroportos. Ô inferno.



Esta receita não tem nada mais, é uma mousse de laranja bem básica, uma receita batida que se acha em todo canto, onde ao invés do tradicional licor de laranja eu adicionei uma bela talagada de licor de graviola. O resultado é uma mousse mezzo cítrica com uma sabor ligeiramente diferente, puxadinho, que vem da graviola. Graviola combina muito bem com cítricos e na minha opinião a mousse ficou fantástica. Mas o importante é que o interessado aprovou o sabor. É que eu fiz 16 porções, 12 foram congeladas para a festa de aniversário de um menininho muito especial que vai acontecer no final do mês (sim a produção para o mês das festas de aniversário já começou!) e as outras quatro foram devidamente devoradas durante o final de semana.



Mousse de laranja e graviola


300 ml de suco de laranja fresco (cerca de 3 laranjas)
raspas das 3 laranjas
6 ovos separados
125ml (meio copo de 250ml) de açúcar + 1 colher de sopa
150ml de creme de leite
80 ml de licor de graviola (use de laranja ou de limão se preferir)
2 colheres de sopa de amido de mandioca (que nada mais é do que polvilho doce)

Como:

Batas as claras em neve com uma colher de sopa de açúcar até ficarem bem duras. Num outro potte bata as gemas com meio copo de açúcar e o amido de mandioca até esbranquiçar. Adicione o suco de laranja, as raspas e o licor de graviola às gemas e bata bem. Leve a mistura ao fogo médio e mexendo sempre cozinhe até que engrosse, mas não deixe ferver de jeito nenhum. Retire do fogo. Coloque a mistura de gemas ainda quente num pote com água e gelo e vá adicionando as claras à mistura de gemas em partes para não perder volume. A coisa de colocar as gemas sobre água com gelo evita que as duas partes da mistura se separem posteriormente. Leve isto a sério.

Quando a mistura estiver homogênea, sem sombras de claras, nem de gemas, separadas na mistura deixe-a de lado e bata o creme de leite até formar um chantilly bem duro. Adicione o creme à mistura mexendo bem suavemente, com uma espátula ou colher de pau até incorporar. Distribua em potinhos e leve ao freezer. Se não congelar direto a mistura se separa e aí fica com uma aparência bem esquisita.

Rende de 12 a 15 porções, dependendo do pote. Eu fiz 12 potinhos para a festa e mais quatro taças para o jantar...