terça-feira, 29 de novembro de 2011

Um catálogo para esquentar a volta...



Ando super ansiosa para voltar a tocar o blog num ritmo constante. Esta ausência, que gosto de pensar como férias, não está servindo para descanso, mas para muito trabalho. Mas com a volta em mente ando preparando em detalhes uma linda e deliciosa receita para animar este blog que é tão querido para mim... por hora vou publicar algumas páginas do catálogo com idéias de presentes de natal que preparamos lá para a loja e que foi parcialmente responsável por um louco mês de novembro... Coisa de louco ser dona de loja! Coisa insana conceber um natal em todos os detalhes. Não fui e não fiz tudo o que deveria ter feito, mas fiz o que pude diante da minha visão de mundo e da minha idéia de loja... acho que vai dar tudo certo no final.

Adoraria ter fotografado um catálogo todo novo, cheio de produção mas não foi possível e este foi feito usando em grande parte fotos cedidas pelos fornecedores dos produtos. Espero que você gostem de ver um pedacinho do que rola por aqui...






















quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Creme de doce de leite com raspas de chocolate



O doce da foto eu chamo de mistureba... mas chame-o do jeito que preferir pois doces como este tem nomes diversos em cada canto por onde passa. Ele é uma espécie mousse já que trata-se de uma mistura a base de creme de leite batido, mas que tem um Q de sorvete se colocado no freezer, ou pode ser chamado também de semifreddo. A mistura de creme pode levar também algumas claras batidas em neve ou até gemas quem sabe e virar de fato um gelatto. De resto é uma mera mistureba de creme batido em chantilly com sabores ao gosto do freguês. Então apareceu alguém do nada em casa? Deu vontade de sobremesa de colher? Aqui uma sobremesa rapidinha sem gluten e sem qualquer complicação? Apenas três ingredientes + fouet ou batedeira para bater o chantilly e é isso. Sem mistério e com resultado muito satisfatório. Adicione o que desejar ao creme, no lugar do doce de leite use uma geléia de qualquer sabor, caseira, claro. Compotas, frutas picadas, amendoim picado, farofa de castanha de cajú, a criatividade será o segredo do seu sucesso.



Receitas assim, simples, servem ao propósito a que se destinam, mas não me alimentam de verdade. Eu ando sedenta por outras coisas. Para falar a verdade eu ando sedenta por receitas mais elaboradas, vontade daqueles doces cheios de etapas e processos, receitas que eu não tenho a menor energia para encarar diante do atual momento. Vou confessar que, diante da realidade atual, preparar uma massa simples para assar uma torta de maça tem se mostrado um esforço demasiado para o final dos meus dias longos. As maças entram e saem aqui de casa e eu ainda não consegui fazer uma tortinha sequer, preciso me mexer rápido, antes que as maças boas desapareçam totalmente. Mas tenho planos para esta semana, hoje mesmo eu comprei um belo naco de manteiga sem sal especial, para fazer massa folheada e com ela uma boa torta de maça que deverá sair do meu forno até domingo, dia de aniversário do meu querido Per.



Eu ando super, hiper, mega atarefada com o ritmo que a minha vida tomou desde que abrimos a loja. No final de uma dia cheio cozinhar é mais uma tarefa que nem sempre relaxa. Eu cozinho feliz, todos os dias, mas fico cansadérrima. Claro que eu poderia dar uma simplificada, mas não uso atalhos, não compro nada pronto e, talvez por isso... Mas o paladar do povo aqui de casa é exigente em relação a tudo e não dá para enrolar ninguém com atalhos, eles não aceitam porcarias e eu me orgulho disso. Além disso o jantar é o momento mais importante do nosso dia. Mesa posta, a família toda junta, comendo e falando e contando e nesta hora todo o esforço faz sentido. Ontem por exemplo, (na verdade foi na segunda-feira) saí da loja e fui num mercado comprar peixe fresco para o jantar. O Per pediu, "simplica!" Eu simplifiquei. Voltei com o peixe e uma abóbora imensa, estava linda e madura, mas era enorme. E para fazer a sopa do jantar ainda precisamos abrir, descascar e picar aquela abóbora imensa e dar solução às sobras. Já falei aqui antes que abóboras mais ou menos decentes só estão disponíveis aqui por estas bandas em outubro? Pois é tive que aproveitar pois depois elas somem e o que temos são umas mini abóboras (butternut squash em inglês) vendidas a preço de ouro mas que são uma decepção a nível do sabor.



Se a vida que era corrida é cheia de obrigações ela também é cheia de prazer e satisfação pois a loja é super excitante. A loja, ou melhor, as lojas já que a loja online é uma outra loja que funciona "afterhours" e também demanda muitas horas de trabalho. Durante o dia fico das 10 as 17 na loja real e faço de tudo neste período. Depois do jantar e eu Per organizamos as coisas da loja online, planejamentos, orçamentos, facebook, twitter e tudo mais. Aí eu lembro que, bem, era para ser uma loja mais caseira, era para ser uma lojinha, pequena, do tipo "lá em casa", mas está ficando grande, já tem mais de 450 produtos e cheia de exigências. As vezes dá um frio na barriga, mas agora não tem mais volta. Além disso ainda há tantas coisas, a casa e suas demandas, roupas lavar e para passar, minha pesquisa de doutorado, os contatos, os artigos, os blogs pessoais, o blog da loja, dois livros começados, sim, dois, não dava para começar apenas um este ano... Se eu ando exausta, ando também super excitada. A loja e os projetos complementares são super excitantes, mas para ser viável impõem um ritmo de trabalho absurdo para mim. A sucesso da loja ainda reside no fato de estarmos controlando tudo sozinhos. Nossa loja é uma colagem que vai tomando forma aos poucos, ficando a nossa cara... tá, a minha cara...





Mistureba de creme com doce de leite e raspas de chocolate


2,5dl de creme de leite fresco
1,2 a 1,5 dl de doce de leite caseiro
100g de chocolate amargo com 70% de cacau

Como:

Reserve quatro tacinhas de vidro ou copinhos. Bata o creme até formar um chantilly médio duro... nem duro demais, nem molengo. Adicione uma pequena parte do doce de leite e usando um garfo ou uma colher de metal misture delicadamente para incorporar totalmente o doce ao creme, homogeneamente. Vá adicionando mais creme aos poucos até misturar tudo. Todo cuidado para não desmontar demais o chantilly. Raspe 50 gramas do chocolate amargo e adicione a mistura de creme, misturando delicadamente para não bater demais. Distribua a mistura de creme, doce e raspas nas taças e leve para gelar por uma meia hora pelo menos. Na hora de servir raspe os restante do chocolate e cubra os potinhos.

Rende 4 porções.

sábado, 22 de outubro de 2011

Bolo de limão com ameixas...



Fazia tempo que eu queria fazer este bolo de ameixas, antes que faltasse boas ameixas, mas me faltava tempo, faltava energia para fazer bolo e faltava também uma certa fome de bolo... Havia um desejo de fazer, por causa das boas ameixas, mas pouca fome em si. Foi então que, de posse de alguns quilos de maravilhosas ameixas, o esperado bolo materializou-se. Mas não foi sem demora, de forma alguma. As maravilhosas ameixas começaram a murchar durante uma semana na fruteira e, por isso, foram levadas a passar uns dias na geladeira. Até que, depois que mais da metade delas já havia sido devorada, eu decidi, diante da visita inesperada de um amigo, que era chegada a hora de fazer um bolo de ameixas.



Eu ainda tinha montes de limões na fruteira e queria usar limões. Aí eu usei a receita de sempre, o tal bolo de iogurte com frutas, simplinho pacas, mas adicionei raspas e suco de limão. Coloquei as ameixas embaixo e a massa por cima de modo que, depois de desenformado, o bolo fica com uma carinha de tatin... A cor da calda que se forma durante o cozimento do bolo é única, linda demais, ainda que resultado final não seja um bolo muito bonito... principalmente porque no centro do bolo a ameixa seca um pouco e o que chama a atenção é a polpa amarela da fruta...




Bolo de limão com ameixas (invertido)


9 ameixas maturas, partidas ao meio e sem caroços
120ml de iogurte natural
2 dl de açúcar não refinado + para salpicar na forma
2 ovos grandes ou 3 pequenos
80 a 100 gamas de manteiga
3,5 dl de farinha de trigo
raspas de um limão
suco do limão
1 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de extrato natural de baunilha (opcional)

Como:

Aqueça o forno a 180C. Unte uma forma pequena com bastante manteiga e salpique bastante açúcar. Coloque uma camada de ameixas sobre o açúcar, salpique um pouco mais de açúcar sobre as frutas e reserve. Num pote misture iogurte, açúcar e os ovos. Adicione a farinha e o fermento e misture para incorporar. Adicione a manteiga e o extrato de baunilha e misture mais um pouco. Coloque a massa na forma preparada, sobre a camada de ameixas e asse por 30 a 40 minutos ou até que enfiando um palito saia seco. Retire do forno e deixe assentar um pouco, cerca de 5 a 10 minutos, antes de desenformar. Desenforme e sirva ainda morno, ou frio.

Rende 8 porçoes.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Manjar de coco com calda de framboesa...



Aqui no jardim de casa tem uma plantação de framboesas que cresce a cada ano... plantamos os primeiros pés de framboesa há seis anos, quando mudamos para esta casa e, de lá para cá, o número de pés e a a colheita de framboesas só faz aumentar. Todos os anos colhemos quilos e mais quilos de framboesas, este ano acho que entre 80 e 100kg. E olha que nos últimos dias da estação, já cansados de colher framboesas duas vezes por dia, deixamos de colher as últimas que ficam nos pés e acabam maduras demais.

As crianças e o Per se enchem de comer framboesas. E eu as uso para tudo. Eu faço dúzias de vidros de geléia, montanhas de vitaminas de framboesa, calda de framboesa para usar em tudo. Mas quer saber uma coisa? Eu não gosto de framboesas ao natural, parece bala, e vou falar uma coisa horrorosa: framboesa é o sabor natural mais forçado do mundo, é o sabor natural mais artificial do planeta. É tão perfumada que me enjoa. Nenhuma outra fruta me enjoa, apenas framboesas, e elas ainda tem aquelas sementes que não ajudam...



Mas eu aprendi a fazer caldas e geléis de framboesa de saber bem suave que me agradam bastante. Este ano fiz diversas experiências com framboesas e cheguei a receita perfeita. Mas melhor de todas as geléias gerou poucos potes, distribuídos entre amigos e vizinhos, foi-se em poucos dias, claro. Minha geléia perfeita leva purê de framboesas sem sementes, maças, pêssegos sem pele, açúcar e nada mais. Ficou uma coisa de louco pois as frutas estavam todas sensacionais. Com a adição da maça a geléia ficou ainda melhor do que a geléia de framboesa e pêssego que eu fiz no ano passado.

Além da tradicional geléia de framboesa com e sem sementes, há quem aprecie com sementes, eu também fiz uma geléia de framboesa com mirtilos, morangos silvestres e maça que ficou sensacional. Adicionar purê de maças descascadas e cozidas com as sementes dá sabor e textura únicos as geléias já que as maças são carregadas de pectina e suavizam o sabor "exagerado" das framboesas. Para mim framboesas são isso mesmo: exageradas, não precisavam ter taaaannnto sabor assim...



A mistura de framboesa com coco é sensacional. Na verdade as framboesas combinam bastante com doces e/ou pudins com alto índice de gordura e/ou amido. Também formam um par sensacional também com creme de abacate por exemplo. A acidez adocicada da calda de framboesa completa a base gordurosa do manjar e/ou do creme de abacate de forma perfeita. Eu amo framboesas assim, sobre a base certa. Mas outras caldas que ficam perfeitas com coco são maracujá, manga e jabuticaba...

Para fazer caldas, cozinhe as frutas com açúcar, use a quantidade de açúcar/por quantida de fruta que desejar, mais ou menos doce é questão apenas de gosto. Deixe que a mistura de frutas e açúcar apenas ferva levemente na panela, sob fogo médio, retire do fogo e passe a mistura pela peneira. Se ferver demais a mistura engrossa e você não quer uma calda líquida, certo? Faça com antecedência e deixe esfriar. Se desejar servir calda quente esquente um pouco antes de servir, sem deixar ferver.




Manjar de coco

Receita já publicada anteriormente aqui

1 litro de leite (médio desnatado) orgânico
400 dl de leite de coco orgânico
1/2 xícara, aproximadamente 100 gramas de côco ralado seco sem açúcar ou coco fresco ralado
6 colheres de sopa de amido de milho orgânico
1 dl de açúcar não refinado orgânico (é o açúcar amarelo não refinado e não o mascavo)

Como:

Separe uma xícara do leite e dissolva o amido de milho peneirado e reserve. Numa panela sobre fogo médio misture o restante do leite com o açúcar, o leite de coco e o coco ralado e deixe cozinhar misturando o tempo todo para não grudar no fundo da panela. Quando a mistura estiver começando a querer ferver adicione a xícara de leite com amido de milho e continue mexendo até engrossar e levantar fervura. Quando ferver retire do fogo e distribua em copos ou potinhos molhados, ou em uma forma com furo no meio também molhada.

A forma molhada impede que o manjar grude na forma depois de endurecido. Deixe esfriar e leve para gelar. Desenforme depois de 2 ou 3 horas e sirva com calda de framboesas ou com a calda que preferir. Caldas que formam par maravilhoso com coco? Manga, maracujá, jabuticaba, por exemplo. O doce desenforma facilmente, basta colocar a forma, ou potinho, virado sobre um prato, dar uma sacolejada, que o manjar se solta.

Rende um manjar grande ou 8 potinhos, dependendo do tamanho.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Risoto de frango e curcuma do meu jeito...



As vezes me impressiona a minha capacidade de publicar postagens longas com muitas palavras sobre o nada. Uma coisa de louco, umas postagens desnecessariamente longas. Mas meu plano aqui, hoje, é ser curta e direta. Fiz um risoto de frango com curcuma que ficou sensacional e consegui fazer umas fotinhas, corridinhas, fraquinhas, mas fiz e fico feliz de poder publicar. Neste risoto eu usei um arroz orgânico, claro, óbvio, um arroz orgânico especial para sushi que eu vendo lá na loja. Mas o lance deste arroz para sushi é que ele é produzido na Itália, arroz do tipo Selenio, uma variedade italiana especial para risottos (ou risotos, como eu prefiro). É que o arroz para risoto é muito similar ao arroz da variedade japonica usado em toda a cozinha japonesa, inclusive sushis.



E assim, o arroz ideal para risotos (risottos) é também ideal para sushi e é vendido por aqui como tal. O arroz tipo japonês orgânico, natural do Japão, é muito caro na Europa e usa-se o similar italiano de excelente qualidade a um custo bem razoável, eu diria. E este arroz curto e redondinho também é perfeito para fazer mingau de arroz e o pudim de arroz, pratos típicos noruegueses no final de ano. Mas vou voltar numa outra ocasião para falar apenas do mingau de arroz norueguês, fica aqui a dívida, mais uma.




Neste risoto eu usei filés de frango que estavam sobrando mas você pode usar a parte que preferir. Eu usei também curcuma, açafrão da terra, orgânico que recebi de presente lá da Bahia. É um produto da agricultura familiar maravilhoso e eu uso como se fosse uma preciosidade. E como quero ser rápida e direta, sem perder o foco, prometo que volto depois para falar das maravilhas da curcuma que é tão saudável e deveria ser consumida todos os dias, com tudo...



Risoto de frango e curcuma


500 gramas de arroz orgânico para risoto ou arroz para sushi
400 a 500 gramas de filé de peito de frango picado
1 cebola picadinha
2a 3 colheres de sopa de manteiga com sal para dourar o frango e a cebola + 2 colheres de sopa de manteiga para finalizar
2 colheres de sopa de azeite virgem orgânico
2 a 3 colheres de sopa bem cheias de queijo parmesão ralado
1,8 a 2 litros de caldo de carne, frango ou legumes (a quantidade final de líquido depende do tipo de arroz. Uns são mais duros do que outros)
150 ml de vinho branco ou rosé seco
1 colher de chá de pimentão doce em pó defumado (páprica doce defumada)
1 colher de cha de curcuma orgânica
1 colher de chá de alho picadinho ou alho em pó orgânico
sal e pimenta do reino a gosto
salsinha fresca picada a gosto
rúcula para decorar

Como:

Numa panela coloque o caldo para ferver. Sempre faço caldos em case mas use o caldo que prefeir. Ferva o caldo em fogo alto. Quando ferver, abaixe bem o fogo e deixe cozinhando em fogo em baixo.

Em outra panela, de fundo grosso, coloque uma colher de manteiga e uma de azeite e doure os pedaços do peito de frango. Adicione o alho, a paprica defumada, sal e pimenta e deixe que doure bem. Transfira o frango para um pote, cubra e reserve. Na mesma panela, ainda quente e com sobras do refogado do frango, adicione mais uma colher de manteiga e uma de óleo (mistura-se óleo e manteiga para evitar que esta queime muito rápido), a cebola picadinha e refogue a cebola em fogo médio até que fique transparente. Adicione o arroz e mexa por uns 30 segundos, para evitar que grude ou queime. Adicione o vinho quando o arroz começar a grudar no fundo da panela e misture bem até evaporar e reduza fogo para médio-baixo. Quando o vinho evaporar comece a adicionar o caldo. Para 500ml/5DL de arroz eu adiciono duas conchas de caldo de cada vez, mexendo sempre, até que o arroz cozinhe mas fique levemente al dente.

Não deixe de mexer para não agarrar no fundo, não deixe o fogo alto demais para não queimar e, mais importante, não deixe o arroz secar e grudar no fundo. Você precisa ficar em pé, ao lado da panela, mexendoe adicionando caldo até que o arroz adquira a consitência ideal. Dependendo do tipo de arroz você poderá precisar de mais ou menos caldo é que há arroz de cozimento mais rápido do que outros. O arroz que eu uso demora para cozinhar e eu preciso de 1,8 a 2 litros de caldo para cozinhar 500ml de arroz de risoto.

Quando cozinhar o arroz estiver já praticamente cozido adicione a curcuma e a salsinha picada e mexa bem para incorporar, adicione o frango em seu caldo e misture um pouco mais. Prove para ver se o arroz está cozido, acerte sal e pimenta e desligue o fogo. Adicione então duas colheres de manteiga e duas colheres de queijo parmesão orgânico fresco ralado.

Sirva imediatamente.

Serve 4 pessoas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...