sábado, 7 de novembro de 2009

Sorvete de peras caramelizadas com crocante de castanha do Brasil (Pará)



São muitas emoções, já dizia o rei em grande estilo. Enfim, em meio a muitos acontecimentos eu ando me arrastando para acabar tudo o que eu tenho que acabar, cuidar de uma pequena família e ainda ser uma pessoa capaz de levar uma carreira a sério e manter o compromisso de fazer de mim um ser social. Devaneios a parte foi emocionante o processo deste sorvete de pera caramelizadas com crocante de castanha do Brasil, foi um aprendizado. E além do sorvete eu tenho um compromisso que preciso cumprir por fazer parte do evento Amigo Invisível Gastronômico, eu tenho que escrever umas coisinhas a meu respeito, coisitas melhor seria, pois muito provavelmente meu amigo invisível é espanhol. Estou morrendo de preguiça de escrever em espanhol, minha cabeça está dando piruetas e vai dar um nó irreversível qualquer dia desses com a quantidade de línguas que cercam a minha vida no atual momento.



Vamos começar com a parte boa, o sorvete de pera caramelizadas com crocante de castanha do Brasil. Depois da festa do final de semana a casa estava cheia de sobras extraordinárias, os alimentos da semana meio que ficaram esquecidos, foi o aconteceu com as peras. Peras são amadas por todos aqui enquanto duras, quando maduras são solenemente ignoradas (exceto por mim que só gosto de frutas maduras). La mama aqui então vai atrás de soluções, queria um sorvete de peras, mas será que combinaria bem com as peras ultra maduras que eu tinha aqui? Pelo sim, pelo não, decidi caramelizar as peras com açúcar e manteiga na panela e, depois de fria, bater tudo com iogurte e baunilha. No final de tudo adiciono a habitual cachacinha para dar uma protegida contra o gelo e uns crocantinhos feitos com açúcar e castanha do Brasil.



A receita é, para variar, uma colagem de muitas, resultado da influência desta foto de um sorvete inspirado numa sobremesa coreana tradicional chamada Baesuk mas que não tinha receita. Achei uma receita de sorvete de iogurte com peras inspirada na sobremesa coreana aqui. Claro que eu iria retirar o gengibre e a pimenta, dupla que não joga no time das minhas sobremesas e adicionar baunilha até que vendo essa obra prima aqui eu tive a idéia de caramelizar e ainda adicionar um crocante de castanhas do Pará, perfeita tradução para o praliné francês.



O sorvete levou mais de dois dias para ficar pronto e foi uma grande revelação que justificou todo o esforço de mexer, mexer e mexer um sorvete. A princípio eu temia que o sabor das peras fosse desaparecer, mas não desapareceu. Todos os sabores estavam lá, presentes e a maior revelação foi o perfume forte das castanhas no meio do caramelo crocante, das peras e da baunilha. Se eu fosse mudar alguma coisa seria retirar a baunilha e deixar o sabor e o aroma das peras mais as claras. Mas ficou um sorvete maravilhoso. Mas é uma receita que talvez se beneficie muito se feito com máquina, creme de leite e gemas para dar mais densidade. Mas eu gosto demais de sorvetes feitos com iogurte e este foi uma grata revelação. Experimente fazer e me diga. Eu aqui tomando sorvete de pera e sonhando com essa maravilha aqui.





Sorvete de peras caramelizadas com crocante de castanha do Brasil (Pará)


5 peras grandes descascadas e picadas
meio copo de 250 ml de açúcar de cana de açúcar
1 colher de sopa de manteiga
300 ml de iogurte natural drenado, sem aquele sorinho
1 colher de sopa de cachaça
1 colhe de chá de extrato natural de baunilha

Como:

Numa panela de fundo grosso derreta o açúcar com umas duas colheres d'água e quando começar a borbulhar e escurecer adicione a manteiga e as peras. As peras vão soltar água e o caramelo vai ficar aguadinho por isso deixe cozinhar por uns 10 ou 15 minutos ou até que o caramelo dê uma engrossada e as peras fiquem ligeiramente transparentes. Quando estiver no ponto retire do fogo, transfira para um pote de vidro e deixe esfriar totalmente. Depois de fria leve a geladeira por 6 horas ou por uma noite inteira. Coloque as peras caramelizadas no processador, ou liquidificador, adicione o iogurte e a baunilha e e bata até formar uma mistura homogênea. Coloque a mistura num pote limpo com tampa e leve ao freezer por umas duas horas. Retire a mistura do freezer, adicione a cachaça e bata num processador, com um fouet, ou mixer manual e leve para o freezer por mais uma ou duas horas. Depois de duas horas retire do freezer e mexa a mistura vigorosamente e adicione o crocante de castanha do Brasil, misture mais um pouco para incorporar homogeneamente o crocante e devolva a mistura de volta para o freezer. Mexa mais uma ou duas vezes até que ela endureça totalmente. Deixe no freezer por umas 6 a 8 horas, ou uma noite inteira, antes de servir. Retire o pote de sorvete do freezer/congelador pelo menos 15 minutos antes de servir. Sirva puro ou com caldas

Rende cerca de meio litro de sorvete.




Crocante de castanha do Brasil


Cerca de 25 gramas de castanhas picadas
um copo de 250ml de açúcar
100 ml de água

Como:

Coloque o açúcar e metade da água numa panela e deixe ferver até começar caramelizar. Quando o açúcar começar a escurecer e ficar com aquela cor ambar maravilhosa adicione a segunda parte da água e as castanhas. Abaixe o fogo e deixe caramelizar até que as castanhas sejam totalmente envolvidas pela calda. Quando a calda de castanhas estiver borbulhando transfira para a forma forrada e deixe esfriar. Quando estiver totalmente fria e endurecida quebre alguns pedaços e coloque num saco plástico. Com um martelo de carne pique o caramleo duro até formar pequenos pedaços crocantes de castanha do Brasil.

Rende bastante, suficiente para umas 3 receitas de sorvete.



Duas ou três coisas que eu sei sobre mim


E sobre o Amigo Invisível Gastronômico, é recomendável que eu escreva algo sobre mim para conduzir meu amigo invisível na direção de um presente acertado, exatamente como essa postagem aqui.

Difícil falar de mim, ainda que eu faça isto o tempo todo neste blog. Mas, enfim, quem sai na chuva quer se molhar. É uma coisa complicada falar dos meus gostos e o que eu gostaria de receber de presente. Bem, antes de mais nada eu preciso deixar claro que detesto pimentas. Claro que uso diariamente e comedidamente pimenta do reino, pimenta branca e vermelha na minha comida mas detesto chillies e comidas picantes se é que vocês me entendem. Além de pimenta só duas outras coisas eu detesto imensamente: anis e coentro. Meu horror a coentro se compara, na mesma proporção, ao amor que nutro por salsa e cebolinha. Fora isto tá valendo tudo. Eu adoro frutos do mar, todos, (não que eu ache que alguém vai me mandar uma lagosta viva, nem em pó, de presente). Enfim, amo chocolates de todas as cores e graus de "cacaucidade" (inventei esta palavra agora), mas todos sem pimenta, chocolate com pimenta é, para mim, uma alucinação de mau gosto. Mas gosto da páprica doce defumada espanhola que é uma delícia, mas nunca no chocolate...

Se é para me dar um presente eu preciso deixar claro que não sou louca por parafernálias tecnológicas de cozinha, nem por equipamentos de marca, nem por livros de culinária, por mais lindos que sejam. Eu não dou a menor importância para livros de culinária, principalmente livros de apresentadores de TV. Sim, eu tenho alguns livros, uns eu comprei, outros eu ganhei de presente, mas não entendo a fissura que esse povo têm por livros de culinária. Gosto de livros de outros assuntos. Mas adoro comida boa, comida simples e sou louca por mel. LOU-CA por mel. Tenho uma coleção de tipos diferentes de mel, venho do Brasil carregada de potes de mel, compro mel em todos os cantos que vou e adoro comparar os diferentes sabores e perfumes. Se eu fosse tibetana ia ter certeza que na outra encarnação eu fui abelha. Adoro tanto meus potes de mel que Per se sente constrangido de come-los pois ele sabe como eu os amo. Também sou louca por nozes e castanhas diversas, todas, acho que herdei esta paixão do meu pai. Mas não gosto de mel com nozes dentro, coisa que provei na Grécia e foi uma decepção.

Gosto de velharias, de potes, formas, xícaras, copos e panelas velhas diga-se usadas em bom estado. Esta uma paixão que herdei da minha mãe. Comprei acho que mais da metade do meu acervo doméstico em brechós e tenho uma coleção de bules de chá e café maravilhosa. Eu amo, amo, amo, amo café e bules de café são uma tara. Mas só bebo café arábica puro, de origem, em geral de uma única propriedade. Gasto fortunas em café aqui mas meus favoritos são os cafés de algumas fazendas em São Paulo e Minas Gerais, como não podia deixar de ser. Amo azeitonas, azeites, óleos de origens diferentes, vinagres, frutas em pó, frutas desidratas em pó e manteigas. Sou louca por coisas japonesas, tipo bacalhau em pó cor de rosa que ganho sempre e algas marinhas secas.

Enfim, me dar presente não é fácil, mas eu sou do tipo que gosta de tudo, mesmo aquilo que eu não compraria nunca. Desde que não seja pimenta...

13 comentários:

Gina disse...

Oi, Cláudia.
Sorvete de pera ainda não provei, mas fiz um sabor novo para mim essa semana e logo estará publicado. E o melhor é que a fruta foi colhida na rua novamente, como as amoras!
Aos poucos a gente vai descobrindo mais semelhanças. Também gosto muito de nozes e afins.
Você deu muitas dicas, se fosse para eu presenteá-la ficaria fácil.
Bjs.

Eu Mulher disse...

Parece até que você conhece meus gostos,rsrsrsr...
Fiquei impressionada como nossos paladares são parecidos!! Só tem uma "coisita" que você não gosta, que eu gosto, coentro. Não sou muito chegada a salsa fresca (horrível), quando é desidratada eu coloco na comida e nem sinto.

Eu e meu esposo amamos mel. Temos mel de vários lugares e o melhor que já experimentei até hoje foi o mel de Piriápolis no Uruguai e depois vem o de Curitiba e por fim os do RS. Não gosto dos que acho por aqui. Amo mel de laranjeira!!!

Beijão

Eu Mulher disse...

heheheheh,

Com tanto 'GOSTO, NUM GOSTO' esqueci de falar sobre o sorvete de pera que eu achei divinal.

Seria ótimo poder experimentar agora mesmo, pois o calor aqui está de matar.

Bjs

Dani disse...

Olha, nem pretendo te convencer. Bom o ex, era chef de cuisine, e me apresentou a mistura chillies e chocolate. Assim: numa banana partida no churrasco, ainda na casca, com chocolate meio-amargo e umas sementinhas de chillies. Não é o sabor, a idéia não é interferir com o chocolate: é o "calor", é uma provocação sensorial ao paladar. Adoro.
Enfim, mel é para mim uma iguaria, mas consumo com parcimônia. Mas é iguaria, de pensar que são as abelhas que fazem, um doce natural e lindo assim.
O teu sorvete está genial, vou copiar a receita e ver se dá coragem um dia destes. Não gosto de peras, mas em doces e compotas, adoro. Vai entender.
Beijocas!!!!

Claudia disse...

Gina,

Estou aqui pensando na fruta que você colheu na rua em Curitiba... será jambo? Deve ser uma fruta diferente, fiquei curiosa.


Ana,

no nordeste tem um mel maravilhoso, mais fino e único. É todo exportado e você deveria tentar achar. Uma das "novas" riquezas mais importantes do sertão, principalmente na área da Caatinga, é o mel. O Piauí e o Ceará estão produzindo e aperfeiçoando mel de sabor único, vale a pena começar a experimentar. Mas são bem diferentes do sabor cítrico do mel de laranjeira. Eu sonho voltar ao Piauí para trazer montes de potes de mel.

Dani,

Então meu problema com chocolate com pimenta é que eu detesto pimenta, o calor das pimentas é o problema, se ainda fosse pelo sabor de algumas, mais suaves, onde o sabor e os perfumes sobressaem por detrás do leve picante ainda vai. Mas os chillies não são assim, eles queimam, esquentam e me matam de ódio. Odeio sabor picante, afe, odeio profundamente.

Beijos garotas!

C.

Marimares disse...

Querida Claudia, não se deixe desbotar feito folhas de outono, você tem luz própria, cuide bem de você e do seu resplendor.
Gosto de tudo que você produz aí.
Me sinto um pouco mãe de você, responsável também pela sua felicidade.
Abraços santistas!

Fabiana disse...

Claudia,
Nunca experimentei sorvete de pera,
mas pelo que vc descreveu e pelo trabalho e a demora, deve ter valido a pena.
Acho que acostumei a sempre comprar o mesmo sabor, com o medo de experimentar outra sabores e não gostar....mas confesso, que depois da minha entrada para o blog, estou começando a mudar de idéia.
bjs

Alcina disse...

Olá Claudia, bem assim será fácil enviar presente para você, tanta coisa que voce gosta e tanta coisa que eu nem nunca tinha ouvido falar, bacalhau em pó!!!
Eu não sou conhecedora de mel, mas para mim mel mesmo é o que eu conheço de infancia, da aldeia dos meus avós, tem um sabor bem forte nem sei a quê hehe
O seu sorvete tem um ar divino, nunca comi de pera mas pelas fotografias do seu, apetece provar :-)

Claudia disse...

Marimares,

obrigada pelo cuidado e pela atenção, me deixa muito feliz.


Fabiana,

Este meu sorvete de pera é uma mistura de influencias, um pouco do sorvete de baesuk, uma sobremesa coreana, e um sabor premiado do sorvete häagen dazs e deu super certo. Vale a pena experimentar.


Alcina,

Vou mostrar numa postagem próxima o bacalhau em pó, é uma maravilha japonesa que eu uso em arroz e saladas. Uma amigo traz sempre de Tóquio para mim, impossível achar fora do Japão. E este mel da vila dos avôs deve ser um sonho...


Bj,

C.

Mari disse...

Claudia querida,

Foi muito bom saber um cadinho mais de você... assim, quando eu puder te presentear, já sei que pimentas, jamais... risos.
Nunca comi sorvete de pêra... estava "de bico" para a minha sorveteira, pois a primeira vez que a usei, foi um fiasco total (culpa minha, que sou mto afobada). Hoje finalmente fiz as pazes com ela, depois de deixar a coitada por mais de 06 meses no ostracismo. Com certeza vou fazer essa tua receita, usando a minha mais nova auxiliar para finalizar o sorvete!
Bjo grande,

Mari

Magia na Cozinha disse...

Eu confesso que tb não suporto anis e coentro. Já provei e tentei gostar, mas não consigo.
Pimenta tem que ser pouco, na justa medida.
Eu não gosto de alimentos com excesso de temperos, pq mascaram o sabor natural dos alimentos. Por isso fujo de comida indiana, por exemplo.
Nunca comi sorvete de pera, mas imagino que seja muito delicado. O crocante deve conferir um toque especial e inesperado.
Bjs :)

gasparzinha disse...

Cláudia, adorei o post!
Algumas blogueiras de longe, sabemos que dificilmente surgirá oportunidade de conhecer pessoalmente. Por isso, estas pequenas revelações que vamos descobrindo são sempre uma forma de nos conhecermos além da barreira do post da receita.

Mas seja como for, que receita!!
Adorei este sorvete. :) Está de mestre. :)

Um grande beijinho.

Eu Mulher disse...

Amiga, eu não conheço o mel do Piauí, mas meu esposo já ouviu falar.


Já encontrei um bom mel no interior do estado na cidade de Martins, nada comparável ao que citei no comentário anterior. Na verdade o que eu experimentei lá de Martins não era de laranjeira, talvez seja por isso que não me apeteceu por completo,rsrs.

Adoro fazer fazer uma mistura de mel, manteiga e baunilha para colocar por cima do pão doce ou brioche, fica divinal.

Beijão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...