sábado, 18 de abril de 2009

Trufas negras, Pororoca e hommus israelense...



Ontem foi "dia de anos", uma coisa que não me interessa bem um pouco celebrar. Não me interessa mais esse lance de celebrar a mim mesma. Acho uma coisa meio vencida, já celebrei o que tinha que celebrar. Sei lá. Mas rolaram alguns presentes, comidinhas especiais, flores (sempre) e surpresas pessoais. Tudo lindo, maior amor. Como é costume meu, no dia do meu aniversário gosto de fazer algum agrado para as crianças e as levo para fazer algo que gostem muito. E então rolou uma piscina depois da escola na tarde de sexta, quase quatro horas de "aventuras", correndo atrás de criança num parque aquático gigante, no tobogan, no escorrega, na sauna, na hidro massagem e na piscina de ondas.

Chegamos em casa exaustos e famintos. Per tinha presentes de diversas naturezas. Ele chegou cedo do trabalho, arrumou a casa, acendeu os insensos que eu amo, trouxe flores, o vinho branco italiano que eu amo e ainda fez sashimi com o salmão mais fresco que alguém neste mundo pode comprar. O peixe parecia ter saído do mar algumas horas antes. De sabor suave, sem muita gordura e sem aquele cheiro de gordura de peixe de fazenda.



Servi também algumas coisinhas doces que eu tinha preparado no dia anterior. Entre elas trufas negras quadradas. Desde que voltamos da Suécia onde visitamos a fábrica de chocolate de Åre, que produz umas deliciosas trufas quadradas, resolvi eu mesma experimentar fazer trufas quadradas. Eu as chamo de trufas negras mas elas não são exatamente negras pois o chocolate que eu usei não é amargo o suficiente.



Trufas Negras Quadradas

200 gramas de chocolate amargo (usei um com 60% cacau)
250 ml de creme de leite (usei com apenas 18% de gordura)
Cacau em pó para enrolar

Como:

Primeiro forre um pirex, ou forma retangular média, com papel manteiga e reserve. Pique o chocolate em pedaços pequenos e coloque num outro pirex. Coloque o creme de leite numa panelinha e leve ao fogo médio. Mexa o creme até ferver para não agarrar no fundo da panela. Quando ferver retire do fogo e jogue o creme sobre o chocolate picado até que o creme cubra todo o chocolate.

Deixe descansar um minuto e com uma espátula ou colher de pau misture suavemente o creme até que o calor do creme derreta todo o chocolate e forme uma mistura totalmente incorporada. Precisa de um pouquinho de paciência para mexer suavemente, sem desespero. Se parecer talhado não se preocupe, continue mexendo até ficar uma mistura mole e negra totalmente com cara de chocolate derretido. Transfira a mistura para um pirex forrado com papel manteiga. Deixe esfriar um pouco, cubra com filme ou laminado e leve o freezer por pelo menos 6 horas.



Depois que a mistura estiver bem dura retire-a do pirex, junto com o papel manteiga, e deite-a numa mesa ou área de trabalho sobre um outro pedaço de papel manteiga. Retire o papel manteiga colado sobre a parte de cima da massa e jogue-o fora. Com uma faca limpa e grande corte quadrados do tamanho que preferir e passe os quadrados em cacau em pó. Seja rápida pois vai começar a derreter novamente. Transfira os quadrados para uma forma limpa, cubra e leve-os para geladeira. Na hora de servir retire as trufas da geladeira e deixe-as em temperatura ambiente, salpique um pouco mais de cacau em pó pois eventualmente o anterior deu uma derretida (dependendo das temperaturas todas).

Rende aproximadamente 60 trufas.



Minhas Pororocas

Esta semana eu recebi do meu amigo Rogério Assis um presente que eu desejava muito: os dois primeiros números da Pororoca, a revista. Para todos aqueles que moram no Brasil a Pororoca é bem fácil de achar, no site da Editora Mandioca tem a lista dos locais.

A Pororoca é uma revista bilíngue que tem como tema central a Amazônia. A Pororoca é a amazônia em forma de arte, comida, comportamento, cultura, estilo, meio ambiente, tradições, história, geografia e por aí vai. A beleza da revista salta aos olhos. Eu imagino, e espero, que muita gente vá compra-la imediatamente só de olhar para a capa. Por trás de tanta beleza está o próprio Rogério Assis que além de editor executivo fotografa diversas matérias da revista. Natural do Pará, Rogério é o cara que eu conheço que mais conhece a região norte do Brasil e eu acho que não há canto ali que ele não tenha estado e fotografado.



Junto com Rogério neste projeto está uma turma grande de amigos meus, todos, como eu, atuais e ex-Folha de S.Paulo. Entre os colaboradores fixos e eventuais Everton Ballardin que é o editor de fotografia, Eder Chiodetto, Lalo de Almeida, José Geraldo Couto, Teté Martinho que é a editora chefe, Rochelle Costi, Marcelo Rubens Paiva e Jair Lanes, todos só nos dois primeiro números. Eu não posso esperar o que ainda virá por aí. Uma alegria e uma excitação ler a Pororoca. Eu não consigo deixar de ficar eufórica por finalmente ter em mãos o resultado em papel de um projeto tão belo.

Para ver mais fotos da revistaPororoca vá ao site da revista. Mas não resisti e fotografei algumas páginas para você terem uma idéia da revista em si. Enquanto eu me delicio com a beleza da Pororoca fico por aqui sonhando. Todos os que me conhecem sabem do amor especial que eu nutro por um determinado ambiente natural do Brasil: o sertão semi-árido. E se o sertão tivesse sua própria revista? O semi-árido também é um bioma muito rico, altamente diverso e de uma beleza única, quase mágica. Fico pensando então numa revista que se dedicaria integralmente ao semi-árido com uma proposta no estilo Pororoca, trazendo a tona o maravilhoso mundo do sertão. Ia ser tudo.

Muita gente não consegue visualizar o sertão para além das imagens de seca, principlamente aqueles que nunca visitaram o sertão verde dos períodos de fartura de água (i.e. chuva). Abaixo uma colagem de ilustrações dos glossários amazônicos da Pororoca. As ilustrações são de Felipe Cohen. As fotos nas colagens são de Rogério Assis, Lalo de Almeida e Everton Ballardin.



Hommus israelense


Ontem fiz hommus, eu amo homus e sempre comi muito este prato típico do oriente médio que no Brasil onde é muito associado com a cozinha sírio-libanesa. Mas o que poucos sabem é que muitos donos de restaurantes "árabes" no Brasil são judeus, judeus de países árabes que deixaram seus países (principalmente Síria, Egito, Iraque, Iêmen e outros) diante da grande perseguição aos judeus que ocorreu de forma intensa neste países nas primeiras décadas do século 20. Esses judeus de "origem árabe" se espalharam pelo mundo e muitos vieram parar o Brasil onde abriram muitos negócios em São Paulo e no Rio de Janeiro, principalmente lojas de tecidos, joalherias e restaurantes. Nos restaurantes o hommus é predominantemente definido como árabe, definição que exclui a imensa influencia judaica nessa cozinha.

Judeus e árabes são, de acordo com o velho testamento, semitas, herdeiros de Sem, ou Shem filhos de Shem, que teria sido um dos filhos de Noé, o cabra da arca. Judeus e árabes são também definidos como semitas pois falam línguas definidas como tal e tem uma longa história comum. Lá pelas tantas no entanto os judeus foram escravizados pelos árabes que, ao que tudo indica, eram maioria.


Durante séculos os judeus comeram o pão de queijo que o diabo amassou na condição de escravos, fato que influenciou imensamente no processo de formação do povo e, principalmente, da religião como uma força política. Já os árabes, esses não tinham nem uma força política estável, nem uma religião capaz de uni-los como os judeus, e seus herdeiros cristãos (estes judeus e pagãos seguidores do judeu "Yesu" que ficou conhecido como "o Cristo"). Enfim, em busca de estabilidade política e poder de influencia os árabes precisaram, lá pelas tantas, achar um profeta para chamar de seu. E foi o que aconteceu e a partir daí é que as diferenças entre os dois povos não parou mais de crescer, deixando as semelhanças num passado muito distante. Uma coisa totalmente judaica seguir profetas, não?

Essa história toda é velha e longa, velha como o cultivo do grão de bico. Há quem garanta que há 10.000 anos já se cultivava grão de bico na Babilônia e há uns 4.000 anos usa-se misturar grão de bico e gergelim com azeite de oliva para fazer hommus, tanto na Mesopotâmia, como na Babilônia. Há mais de 2000 anos que se come hommus em todo o oriente médio onde era servido tantos por egípcios, como romanos e gregos. Chamar este prato de árabe não é certo, mas também não é errado, assim como não é errado ser chamado de judeu. Mas como a receita que eu tenho é israelense e como eu gosto muito do povo de Israel, eu resolvi batizar meu hommus de israelense (não há neutralidade nenhuma neste mundo e vocês são testemunhas).

Tanta conversa fiada para dar uma receita bem simples de um hommus israelense que é regularmente feita aqui em casa.



Hommus israelense

200 gramas de grão de bico seco
7 dentes de alho
60 ml (4 a 5 colheres de sopa) de suco de limão fresco
80 ml (6 colheres de sopa) de tahini (purê de gergelim)
60 ml (4 a 5 colheres de sopa) de azeite de oliva extra virgem + para a hora de servir
1/2 colher de chá cominho (ou melhor, use-o a gosto)
salsinha
sal e pimenta a gosto
páprica em pó para decorar

Como

Cozinhe o grão de bico e os dentes de alho em água até os grão ficarem macios. Escorra os grão guardando a água. Deixe esfriar e bata o grão de bico num processador ou liquidificador com uma parte da água do cozimento. A quantidade de água depende da consistência do homus que você deseja obter. Bata até formar um creme e então adicione o limão, o tahini, sal, pimenta e cominho. Bata até formar um creme bem fino, sem pedaços. Se estiver muito grosso adicione mais água. Quando estiver com a consistência adequada prove e veja se precisa de mais sal, tahini ou limão. Cave uma cova no meio e coloque umas colheres de azeite de oliva extra virgem. Decore com salsinha fresca e páprica em pó. Sirva com pães brancos diversos, ideal é o pão tipo pita.

17 comentários:

Glau disse...

Minha lindona, adoro o "antes" do aniversário.. fico na maior ansiedade, contando nos dedos pro dia chegar, mas no dia mesmo me dá o maior bodão! mas este ano não posso reclamar, foi ótimo!

Uma graça sua família.. mesmo vc achando over, deu pra sentir que foi um dia ultra especial, hein? do jeitão que vc merece! quem dá amor de montão, só tem a receber em troca!

Prefiro não comentar das trufas.. comeria todas de madrugada ou logo de manhã (como vc bem me disse um dia, sem escovar os dentes pq o gosto fica melhor!) :)

Querida, um beijo e mta alegria pra vc!

Ps: "guenta" firme ai pq logo, logo te darão a resposta e tô torcendo pra que seja positiva!

Glau disse...

Ps: agora entendi pq vc ficou de lontra.. também com um parque desses.. hidro, sauna.. dá uma moleza "dusinferno".

Amei o parque, mas não entendi uma vírgula do que estava escrito no site :)

bjos

Claudia disse...

Glau,

Esse parque aquático é maravilhoso de frente para o fiorde, tudo aquecido e a piscina olímpica, que não aparece nas fotos, é com água salgada. Eu nado lá 3 vezes por semana mas as crianças vão só de vez em quando. Maior loucura ficar atrás de crianças em piscina, eles nadam mas ainda não são muito responsáveis.

Beijos,

C.

Eu Mulher disse...

Minha amiga, eu acho essa data tão importante que já estou ficando nervosa para o dia 28 de abril. Por mim, no dia 28 de abril que é meu aniversário eu faria a maior festa que alguém pode fazer na vida. Ainda sou um pouco cafona em relação a esse assunto,rsrsrs.

Feliz aniversário lindona!!!
Amei as flores e amei as trufas.

Feliz vida!!!!


Beijão

Claudia disse...

Ana,

Como eu falei, eu sou centrada demais em mim, eu acho que celebro a minha existência até demais. Definitivamente vim ao mundo para celebrar, mas não faço isso num dia apenas. Mas acho que as pessoas tem mesmo é que celebrar sua vida, é que no meu universo do eu, eu e eu, me parece demais.

Bj,

C.

Isabella disse...

Oi Claudia, que bonita comemoração! E com trufas (de chocolate), melhor ainda!
Ando cismada que chocolate anda me dando enxqueca. Tive 2 essa semana... Mas assim que estiver melhor, tentarei sua rec eita. Já fiz muito das redondas.

bjs

Cláudia M. disse...

Cláudia, bela comemoração! Muito bom, no seu aniversário querer dar presentes à família. Imagino que os seus filhos devem ter amado.

Acho que faz muito bem em fazer da sua vida uma comemoração constante, mas tenho que lhe dar os parabéns pelo marido... rsrs não tá fácil encontrar tanta dedicação...

Bjs e desejo-lhe mais um excelente ano de vida.

E a Primavera, já está a aparecer por aí?

Bj

Lucia Campos virtual disse...

Oi Cláudia,
Parabéns pelo seu aniversário; flores e marido carinhoso são tudo de bom! Menina de sorte!
Vi o site da revista Pororoca e achei muito especial, o maior capricho e criatividade.
E você, curtindo os ares da primavera, está cada vez mais fecunda...seus posts estão lindos, muito bem escritos e gostosos como as trufas quadradas devem ter ficado!
Te aplaudo, assopro as velinhas e canto:...muitas felicidades, muitos anos de vida...Cláudia, Cláudia, Cláudia!
Kisses

Magia na Cozinha disse...

Claudia parabéns pela passagem do seu aniversário! Tudo de bom, que vc merece!
Nada como ser mimada pela nossa família. Flores e comidinhas gostosas, tudo de bom, não é mesmo?
Eu já gosto muito de comemorar o meu aniversário, acho uma delícia.
Bjs :)

Moira disse...

Apesar de atrasada, muitos parabéns pelo seu aniversário, mesmo quando não se liga nenhuma é importante celebrar e se for com a família, nada melhor.
Adorei as trufas quadradas, ficam um luxo!
E o humus também adoro, até porque tenho um amigo israelita e já provei um montão de coisas boas :)
Bjs e boa semana
Moira

Claudia disse...

Isabella,

Sabe que a cafeína eventualmente causa dores de cabeça em algumas pessoas, veja se a suas enxaquecas não estão relacionadas ao café, chás, chocolates e refrigerantes. Cafeína deveria curar dor de cabeça mas em algumas pessoas é a causa. Obrigada pela visita!

Claudia,

A primavera chegou por aqui na aparência, os dias estão lindos e longos, longos mesmo, mas continuam muito frios. Agora mesmo está um sol lindo mas a temperatura é 2C. No final de semana fez 4C o dia todo. Ainda falta para esquentar totalmente. A recompensa para tanto frio é um bom marido escandinavo. Ele justifica tudo (risos). Bj e obrigada!

Lucia,

Obrigada! Não sei se é a primavera mas os dias longos e ensolarados me animam muito, se animam. A Pororoca é um projeto lindo, estou apaixonada!

Bj,

Clauzinha,

Comemorações são mesmo ótimas, mesmo quando pequenas. Eu me diverti muito junto com meu pequeno grupinho... Bj.

Moira,

Obrigada. As trufas ficaram lindas mesmo, não? Eu adorei. E ainda são mais fáceis de fazer já que não precisa enrolar, é só cortar. Bj.

C.

Isabel disse...

Que post maravilhoso. Adoro quando você faz essa mistura de comidinha boa e lição de história e cultura!
Fiquei a babar com as trufas, fiquei com vontade de ler a Pororoca, fiquei curiosa para saber mais sobre o sertão e fiquei com vontade de preparar esse homus. Muito interessante e tema dos árabes e israelitas. No fundo são o mesmo povo e hoje é aquela guerra horível entre eles. Um pavor. Nunca comi homus, mas vou tentar fazer para comemorar a riqueza e a diversidade deste mundão.
Parabéns pelo aniversário e pelo marido! Muitas felicidades e muitos anos de vida!
Bjs

Luciana Håland disse...

Bom, estou meio atrasada, mas como você celebra sempre, então os parabéns e desejar muitas felicidades pra você estão valendo todos os dias.
Sendo assim... Muitas felicidades todos os dias de sua vida.
Parabéns!

Simone Izumi disse...

Super parabéns pelo seu aniversario!! Que jóia e como tudo ficou lindo!!!
C., na minha cabeça a palavra trufa sempre me remete as de chocolate!!!rs...
bjoos

Alcina disse...

Olá Claudia
Vinha para lhe fazer inveja com a minha ida para a sua terra dia 1 de maio e afinal que ficou com inveja(boa) fui eu :-)com esse chocolate todo por aqui:-)
Mais um texto lindo que mostra bem uma pessoa feliz e de bem com a vida, apesar desse frio todo e das saudades lá do seu calorzinho.
Parabens atrazados pelo seu aniversário e pela familia linda que tem.
bjinhos

Bia Belliard disse...

Um aniversario bem comemorado ! Parabens ! E as trufas estao me hipnotizando ! bjs

Verena disse...

Claudia, seu blog só tem coisa boa! Estou me deliciando com as receitas, fotos e textos,parece que estamos conversando tomando água de côco na beira da praia...adorei!
Uma dúvida: a trufa deve ser mantida na geladeira depois de pronta? Me parece estranho ficar fora...será que não derrete?
Um beijo!
Verena

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...