domingo, 26 de fevereiro de 2012

Panna Cotta de Samba e Chocolate: i.e. Panna Cotta de Gianduia



A pasta gianduia (ou gianduja), aquela brilhante idéia italiana de misturar massa de avelãs com chocolate, é um imenso sucesso ao redor do planeta. A versão comercial mais bem sucedida da pasta gianduia é conhecida como Nutella, uma marca registrada nos idos dos anos 60 mas cuja origem é muito mais antiga... mas eu já escrevi sobre isso aqui antes.

A Nutella é a mais famosa das pastas gianduias cremosas, mas não é a única. Há inúmeras versões de pasta gianduia pela aí, de maior ou menor qualidade, com maior ou menor conteúdo de avelãs, com maior ou menor conteúdo de cacau, mais ou menos açúcar, produzida com, ou sem, açúcar refinado, com óleos vegetais diversos, óleo palma ou com azeite de oliva, há gianduias para todos os gostos.




A gianduia mais vendida aqui na Noruega leva em média 6% de avelãs em suas diversas versões e o produtor nem se dá ao trabalho de indicar o percentual de cacau na mistura o que demonstra que a gianduia local é 5% avelãs e 95% açúcar e óleo vagabundo, uma decepção.

Eu sempre gostei de pasta gianduia, e/ou nutella, nocciolata ou crema nocciola, mas gosto de misturas com maior conteúdo de avelãs, como a pasta gianduia Samba, que é feita com 45% avelãs enquanto as demais gianduias tradicionais passam de 13%.



E desde que a Nutella ganhou o mundo que as pastas gianduias cremosas não estão mais limitadas a mesa do café da manhã, passando a compor receitas de sobremesas diversas, como esta panna cotta que apresento hoje. A única diferença é que esta panna cotta (creme cozido e gelatinado) não foi feita com Nutella, mas com Samba, uma versão mais interessante da pasta gianduia cremosa. Mais interessante para mim, claro. Mas para contra balançar e intensificar o sabor de chocolate eu misturo chocolate amargo para deixar com um sabor mais especial. Samba é uma mistura fantástica, com intenso sabor de avelãs e produzida com rapadura orgânica, a brasileiríssima rapadura, comprada de pequenos produtores de cana de açúcar orgânica do Brasil.



Sem querer puxar a brasa para os produtos da minha loja, mas lá na minha lojinha vendemos algumas das melhores pastas gianduia do mercado, entre elas a Crema Cuor di Cacao produzido pela fábrica de chocolate Venchi, com 31% de cacau e 26% avelãs e azeite de oliva... uma mistura quase perfeita.



Panna Cotta de Samba com Chocolate

750ml de leite
350ml de creme de leite
300g de pasta gianduia, usei Samba com 45% de avelãs
100 g de chocolate amargo com 70% de cacau derretido em banho maria
10 folhas de gelatina
1/4 colher de chá de baunilha em pó (opcional)

Como:

Coloque as folhas de gelatina de molho em água fria e reserve. Coloque o leite, o creme de leite e a baunilha numa panela de fundo grosso. Leve ao fogo médio e deixe que cozinhe até que ferva. Quando a mistura ferver retire a panela do fogo. Escorra a água das folhas de gelatina, espremendo bem. Adicione as folhas de gelatina a mistura de leite e creme e mexa bem até que a gelatina se dissolva totalmente. Transfira a mistura de leite por cima da mistura de pasta gianduia e chocolate e com uma espátula misture com atenção até que a mistura que todo o chocolate e o creme de avelãs seja totalmente incorporado formando uma mistura homogênea. Divida em potes e leve para gelar por pelo menos 4 horas. Polvilhe um pó de cacau puro na hora de servir e sirva com uma calda de laranja, creme de chantilly ou iogurte com baunilha.

Rende 10 porções.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Gelatina de Laranjas Vermelhas



Para não deixar a postagem anterior longa demais eu resolvi deixar a receita da gelatina para hoje. E, como prometido, segue a receita da gelatina de laranja vermelha que não é nenhuma novidade. Se você não tiver laranjas vermelhas a mão, não se acanhe, use a laranja que desejar e estiverem disponíveis na tua região. Eu ainda recomendo experimentar com tangerinas que já já vão entrar na estação no Brasil. Suco de tangerina fresco fica maravilhoso como gelatina. Use a quantidade de açúcar que desejar...




As crianças aqui em casa amam esta gelatina e eu faço sempre. Eles comem com iogurte grego natural que eu misturo com mel e tempero com baunilha em pó. Muito melhor do que creme. Meu sobrinho, que está nos visitando este mês provou, pela primeira vez e adorou. Levou um susto com a primeira colherada pois ele não está acostumado com gelatinas vermelhas com sabor de laranja... mas ele aprovou.




Gelatina de Laranja Vermelha


1 litro de suco de laranja vermelha ou de tangerina fresco e peneirado
6 colheres de sopa de açúcar não refinado orgânico
5 a 6 colheres de chá de gelatina em pó sem sabor
100 ml de água fria

Como:

Retire todo o suco laranjas, passe pela peneira e leve metade dele para ferver numa panela com o açúcar. Use mais açúcar se desejar. Polvilhe a gelatina em 100ml de água e deixe dissolver. Quando o suco começar a querer ferver retire do fogo e adicione a gelatina amolecida ao suco, retire do fogo e mexa vigorosamente até dissolver totalmente. Adicione a parte do suco não fervido a mistura e mexa para incorporar. Divida em taças ou copinhos de vidro e leve para gelar por pelo menos 3 horas.

Sobre os usos da gelatina, calcule 1 colher de chá de gelatina em pó para cada 200ml de líquido. Se for usar folhas calcule 1 folha para cada 200ml de líquido. Se forem folhas pequenas, calcule 150ml. Para usar as folhas importante deixa-las amolecer em água fria por alguns minutos. Na hora de usar escorra a água das folhas e adicione ao suco fervido mexendo bem para derretem.


Rende 10 porções



Uma receita favorita, super saudável e gostosíssima...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Vermelho Laranja Vermelha



Uma das frutas que mais me encanta são as laranjas vermelhas (blood orange em inglês e blodappelsin em norueguês) cujo sabor é muito semelhante aquele das laranjas peras do Brasil. O grande poder de encanto das laranjas vermelhas está, obviamente, na cor vermelha intensa de sua polpa e do suco que elas produzem. A cor pode variar e pode algumas vezes ser mais claro, dependendo da origem das laranjas.

A maioria das laranjas vermelhas que eu compro por aqui vem da Itália, da espécie Tarocco típica da Sicília. É fácil acha-las orgânicas e diversos supermercados oferecem tanto orgânicas como convencionais. Este mês elas estão até na cesta de produtos orgânicos. Este ano achei muitas originárias da Espanha, mais azedas e a polpa é vermelho escuro, parecem até meio pretas por dentro... como sangue coagulado. Irch!



Estas laranjas são chamadas de laranjas sanguíneas em Portugal, nome péssimo na minha opinião, uma tradução literal do nome em inglês. Mas como eu só uso nomes que me agradam, que me fazem mais sentido, escolhi chama-las simplesmente de laranjas vermelhas porque na Italia estas laranjas vermelhas são chamadas de Arancia Rossa di Sicilia(Laranjas Vermelhas da Sicília). As laranjas vermelhas da Sicília tem proteção de origem geográfica.




A laranja vermelha siciliana da espécie Tarocco é muito doce, como a laranja pera, perfeita para sucos, saladas e doces e por isso é a minha favorita. Ainda é listada como sendo a laranja com a maior quantidade de vitamina C entre todas as laranjas do mundo. A cor vermelha é resultado das antocianinas, uma pigmentação natural, desenvolvidas durante a noites frias de inverno. A estação da laranja vermelha é curta e coincide como final do inverno na Europa quando reina a pobreza absoluta de frutas.

Este ano comprei a laranja vermelha espanhola, bem preta e bem mais azeda, não sendo tão interessante para doces e gelatinas... Os espanhóis produzem boas laranjas, mas as vermelhas eles deveriam deixar para os italianos pois não há comparação entre elas.
Minha receita já tradicional de gelatina de laranja vermelha siciliana vem na próxima postagem... não se acanhe, a receita pode ser feita com qualquer tipo de laranja...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Para aquecer: Pão de queijo e biscoitos de chocolate, ambos sem glúten




Com frio que faz por estas bandas esta época do ano, temperaturas abaixo de zero, muita neve e gelo por toda parte, o corpo grita por calorias... doces calorias. Nada como biscoitos recém saídos do forno e pães de queijo quentinhos para saciar as demandas do organismo faminto. Com mãe e sobrinho nos visitando, os motivos para celebrar e encher a mesa de delícias não são poucos.



Eu uns dias atrás fiz pães de queijo e biscoitos de chocolate para um lanchinho de final de tarde... As duas receitas são novas no meu repertório e estava louca para experimenta-las. A receita do pão de queijo uma adaptação da Neide do Come-se para receita de uma amiga dela. É uma receita muito boa. A massa é facílima e perfeita para preparar e congelar as bolinhas de pães prontos para assar depois. Facílima de fazer e ainda não inclui escaldo de polvilho. É misturar tudo, fazer bolinhas e assar, ou congelar para assar depois. Simples assim.





Os biscoitos de chocolate são na verdade um belo suspirão de cacau com pedaços de chocolate. É de comer gritando. Foi eleito lá em casa o melhor biscoito de chocolate jamais feito. Sem glúten pois não leva qualquer farinha, nem gordura. Os ingredientes resumem-se a claras de ovos, açúcar e cacau puro... pode ou não levar pedaços de chocolate. Eu recomendo, mas não é obrigatório. Eu ia adicionar uma colher de extrato natural de baunilha mas acabei esquecendo e não fez a menor falta. Importante lembrar que as crianças lá de casa, o sobrinho incluído, não são chegadas em chocolate amargo e, por isso, não tinha certeza quanto ao sucesso dos biscoitos junto a ao baixo clero, se é que vocês me entendem... mas foi sucesso total. Eu acredito que a receita é boa, mas também acredito que o paladar dos pequenos está amadurecendo... endelig!




A receita dos biscoitos é do Blog Kumquat do círculo de "blogs sem glúten" e que tem sempre um monte de receitas legais. Já declarei aqui meu interesse em deixar de consumir glúten. Nem sempre consigo, mas as vezes passo um bom tempo sem consumir trigo e centeio e me sinto bem melhor... Mas nem sempre é possível e, como não sou celíaca, tenho recaídas inevitáveis já que as vezes preciso comer por falta de opção e/ou por educação. Mas os efeitos das recaídas eventualmente passam desapercebidos o que mostra que basta reduzir o consumo de trigo que o organismo já consegue funcionar melhor...



Até minha mãe está vivendo sem glúten, e sem adoçante. Minha mãe adoçava sseu café até dezembro passado, quando chegou aqui, Tivemos uma conversa, mostrei artigos, ela leu e jogou o aspartame que tinha trazido no lixo. Decidiu: vou tomar sem adoçar e desde então tem sido assim. Está comendo knekbrød sem gluten e todas as gorrorrobas sem glúten que eu faço. Sem glúten e sem o adoçante artificial ela dorme até melhor, digere melhor e está mais relaxada... Este é o meu diagnóstico diante do pude presenciar nos últimos 70 dias...






Pão de Queijo Maravilha

Via Neide, i.e. Come-se. A receita abaixo contém as minhas "adulterações"...

400g de polvilho azedo
200 ml de leite
100 ml de azeite
2 ovos médios orgânicos
150 g de queijo minas padrão, parmesão ou qualquer tipo de queijo duro ralado na hora
1 colher de chá de sal marinho

Como:

Coloque todos os ingredientes numa tigela e misture com as mãos até formar uma massa homogênea. Faça as bolinhas de massa usando duas colheres de sobremesa. Neide recomenda usar colher de sopa, mas eu gosto de pãezinhos pequenos e por isso usei uma colher menor. Coloque as bolinhas em assadeiras que não precisam ser untadas, mas deixe espaço entre os pães. Leve ao forno pré-aquecido a 250C (esta é a temperatura máxima do meu forno) e deixe assar por cerca de 25 minutos ou até dourar. Sirva quente.


Rendeu 48 pãezinhos




O melhor biscoito de chocolate do mundo
Via Gretchen do Blog Kumquat

350 gramas de açúcar de confeiteiro
100 gramas de cacau em pó puro
100 a 120 gramas de clara de ovos (cerca de 4 claras grandes)
Pitada de sal
200 gramas de chocolate amargo com 60% de cacau picadinho
1 colher de chá de extrato puro de baunilha (esqueci de colocar)


Aqueça o forno a 180C. Reserve dois tabuleiros grandes para assar os biscoitos e forre-os com papel manteiga. Numa tigela grande misture o açúcar, o cacau e o sal e reserve. Coloque as claras numa tigela de vidro grande e usando um batedor de mão ou um garfo, bata levemente as claras até elas começarem a espumar e ficarem totalmente brancas... Cerca de 1 minuto. Nada de claras em neve pois estes biscoitos não são suspiros. Adicione a mistura de açúcar e cacauas claras e usando uma espátula ou colher de pau misture bem até incorporar totalmente.

Você vai obter uma massa razoavelmente grossa, mas perfeita para tirar colheradas de massa e colocar no tabuleiro. Adicione a baunilha e misture para incorporar. Por fim adicione os pedaços de chocolate da tonalidade que desejar. Pode usar chocolate branco, ao leite, ou amargo. Coloque colheradas de massa nos tabuleiros forrados, bem separados um do outro pois vai dar uma bela esparramada. Asse por 15 minutos ou até que esteja com o topo todo rachadinho. Deixe esfriar totalmente antes de retirar os biscoitos do papel pois eles quentes vão grudar e quebrar.

Rende cerca de 36 biscoitos.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Pasta de cacau caseira no biscoitinho de manteiga de castanha de cajú...



O cacau puro é um dos alimentos mais saudáveis do momento, outros super alimentos hão surgir no futuro, claro, pois assim funciona a ordem das coisas. Mas enquanto o cacau for classificado como uma das principais fontes de antioxidantes, fenilanina, minerais diversos, vitaminas e, claro, prazer; por que não abusar dele? Aqui uma receita facílima. Pasta de cacau com mel e óleo de avelãs. Qualquer óleo de nozes funciona bem aqui, mas como ando na fase óleo de avelã e totalmente recomendo usar este óleo que ainda deixa um perfume maravilhoso e um delicado sabor de gianduia no resultado, eu totalmente recomendo.

Mas use um óleo orgânico e não refinado de sua preferência e depois coma sem culpa... Óleo de coco extra virgem é sensacional, óleo de nozes, azeite de castanha do pará ou até mesmo o frutado óleo extra virgem de abacate. Para adoçar eu usei mel de acácia orgânico, mas você pode usar açúcar mascavo ou açúcar não refinado, melado de cana ou outros xaropes natural, crus ou não. Se você tiver acesso pode usar também xarope de agave cru, agave é um cacto mexicano que está na moda e nas bocas de matildes de todo o planeta. Se desejar use adoçante natural tipo stévia.




Pasta de Cacau de Passar no Pão


6 colheres de sopa rasas de cacau em pó puro orgânico (100% cacau, sem açúcar)
3 a 4 colheres de óleo de avelãs não refinado orgânico (use de castanha do pará, de extra virgem de coco, óleo de abacate ou de nozes)
4 a 6 colheres de sopa de mel de acácia orgânico( use açúcar mascavo ou melado de cana, xarope de guaraná, xarope de agave, de bordo ou algum adoçante natural também funciona, por exemplo: stévia
1 pitadíssima de sal marinho


Como:

Coloque todos os ingredientes num vidro e misture tudo com uma colherzinha de pau, ou de mel. Consuma com pão, frutas ou biscoitos. Se for rechear biscoito basta espalhar no biscoito e colocar outro por cima. Prove com frutas, sorvete, panquecas etc...





O segredo destes biscoitinhos é usar uma manteiga de castanha de cajú pura, sem adição de lecitinas, outros óleos vagabundos, açúcar ou sal. Usei uma manteiga pura que vendo lá na loja e que virou um clássico lá em casa. Dá para usar manteiga de amendoim pura também... se você não tiver acesso faça a sua manteiga em casa processando ou triturando ao máximo as castanhas sem sal, torradas, até obter uma manteiga grossa e muito perfumada. Acho que o ideal deve ser usar pilão pois os processadores domésticos mais comuns não dão conta do serviço...





Biscoitinho de manteiga de castanha de cajú sem glúten e sem farinhas

(Já publiquei uma versão deste biscoitinho com manteiga de amendoim aqui.


1 xícara (2dl) de manteiga de castanha de cajú pura, sem amaciantes
! xícara (2dl) de açúcar de cana cristal amarelo, não refinado, use mascavo se preferir...
pitada de sal
1 ovo em temperatura ambiente
1 colher de chá de fermento em pó sem glúten


Aqueça o forno a 180ºC. Forre duas formas com papel manteiga. Com uma colher de pau amoleça um pouco a manteiga de castanha, adicione o açúcar e mexa bem até formar uma mistura macia e homogênea. Adicione o sal e o ovo e mexa bem para incorporar. Por fim adicione o fermento. A massa deve ser macia e fácil de bolear. Forme bolinhas, colocque nas formas forradas e com um garfo amasse as bolinhas até formar umas ranhuras. Asse por 12 minutos ou até que as bordas fiquem douradas. Os biscoitos ainda estarão meio moles e você deve deixar eles esfriarem totalmente antes de remover da forma.


Rende 4 dúzias