quinta-feira, 30 de junho de 2011

Bolo de cenoura com óleo virgem de coco e mármore de gianduia



Eu tenho cozinhado bastante com óleo de coco, um óleo que já foi largamente usado no Brasil mas que perdeu espaço para os desastrosos óleos comerciais refinados de soja, milho e agora a tal canola. Eu costumava só usar óleo de girassol extra virgem, não refinado, para certas receitas doces e salgadas mas, recentemente, decidi cozinhar com óleo de coco extra virgem. Óleo de coco é um óleo super saudável e é muito saboroso. Eu confesso que não foi fácil de cara, eu tinha eu certo trauma de infância, achava que todos os óleos de coco tinham gosto de sabão. Felizmente, eu voltei a experimentar. Uns anos atrás eu comprei uma manteiga de coco na Suécia que ainda me lembrou sabão, assim de longe, mas nao desisti. E com o estímulo e apoio da minha amiga Anna, uma médica americana que vive aqui na Noruega e que só cozinha com óleo de coco, ela é apaixonada por óleo de coco virgem, eu vi que o óleo perfeito é o óleo virgem, cru e passei a comprar e usar óleo extra virgem de coco. Claro que eu ainda uso o mais do que fantástico óleo de abacate e o azeite de oliva para saladas e peixes e ainda uso o extra virgem de girassol para algumas coisas já que tem o sabor mais neutro de todos, mas o óleo de coco passou a ser um curinga e presença obrigatória na minha cozinha.




O óleo de coco endurece se exposto a temperaturas menores do que 20C e permanece líquido em temperaturas acima de 20C. Além de saboroso o óleo de coco é muito saudável com alta concentração de antioxidantes, antibactericida (lembram do sabão?), antifungo, antimicrobial e muito mais. Ajuda a manter o bom colesteral firme e forte e resiste a temperaturas altas durante o cozimento, mais do que a maioria dos demais óleos e é perfeito para a doceria. Alguns óleos de coco podem eventualmente ter um ranço ou até mesmo lembrar o gosto de sabão, aquele sabão de coco natural que a gente usava antigamente para lavar roupa e louça, mas é que eles então não são próprios para cozinhar pois nem todos os óleos de coco tem gosto de sabão e nem todos servem para cozinhar. Para cozinhar use óleo de coco extra virgem, espremido a frio, exatamente como os demais óleos, os óleos extra virgem são mais saudáveis e mais saborosos. Eu uso o óleo da Cosmoveda e o óleo da Biona.





Bolo de cenoura é uma espécie de fetiche no Brasil mas eu ainda não tinha publicado uma versão deste bolo aqui, por isso, lá vai... com óleo virgem de coco e mármore de gianduia. A gianduia é a mistura da avelã com chocolate derretido ou cacau puro com um tanto de óleo de avelã e açúcar. Faça você mesma a sua. Eu usei desta vez uma pasta gianduia italiana orgânica maravilhosa que eu vendo na minha loja, ui, falei... Vendo também esse óleo de coco, enfim. Mas para quem prefere simplificar use a versão comercial mais bem sucedida da pasta gianduia conhecida como Nutella. Mas por que não dar uma ousada, se arriscar e fazer em casa. Use outras nozes ou castanhas se desejar o resultado será bom do mesmo jeito, tenho certeza... Fica maravilhosa com castanha de cajú.





Bolo de cenoura com óleo de coco e mármore gianduia

180 gramas de cenoura cruas descascadas (duas cenouras médias)
3 ovos médios
1,5dl (150 ml) de açúcar de cana não refinado
2,5 dl (250ml) de farinha de trigo
1 dl (100ml) de óleo cru ou extra virgem de coco
2 colheres de chá de fermento em pó
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
4 a 5 colheres de sopa bem cheias de pasta gianduia orgânica
Boa pitada de sal marinho


Como:

Aqueça o forno a 180C e unte uma forma redonda com ou sem furo no meio, forre com panel manteiga e unte o papel. Use um processador ou liquidificador para facilitar o trabalho com cenouras cruas. Se não tiver cozinhe as cenouras e amasse até formar um purê. Coloque então as cenouras, a farinha, o açúcar, os ovos, o óleo de coco, a baunilha e o fermento na jarra do processador (liquidificador) e processe até formar umas massa meio grossa mas bem homogênea. Transfira a massa para a forma untada e adicione as colheradas de gianduia em diferentes pontos da massa. Se desejar mexer um pouco para espalhar faça isso, mas eu gosto de espalhar pouco de deixar a massa com uns bolsões de gianduia que serão "disputados a tapa" pela galera mirim de casa... Leve para assar por 40 minutos ou até que um palito enfiado na massa saia seco.

Rende cerca de 10 fatias.



Gianduia

Para aqueles que desejam fazer a própria pasta gianduia em casa o link leva a uma receita interessante, diferente da minha. Eu faço a minha de olho e sempre dá certo. Talvez não seja a melhor receita de gianduia do mundo, mas é minha favorita. Atualmente, quando eu faço, eu uso esta manteiga de avelã o que facilita a vida e deixa a massa macia. Se você não achar a manteiga, use as avelãs tostadas e depois adicione óleo de avelã, ou de óleo de castanha do Pará ou de nozes.

Pasta gianduia caseira


2,5 dl (uma xícara) de avelãs tostadas e descascadas
0,5 dl (1/4 xícara) de açúcar mascavo
1 dl (100 ml) de creme de leite com baixo teor de gordura, se precisar adicione um pouco mais
pitada de sal
100 gramas de chocolate ao leite com alto teor de cacau
100 gramas de chocolate amargo
2 a 3 colheres de sopa de óleo de avelãs ou óleo de castanha do pará
Uma colherzinha de chá extrato puro de baunilha (totalmente opcional)

Como:

Toste e descasque imediatamente as avelãs e coloque num processador ou liquidificar e processe até formar uma farinha o mais fina possível e oleosa. Pique os dois tipos de chocolate e coloque num pirex fundo. Ferva o creme de leite com o açúcar mascavo, o óleo e o sal mexendo para derreter o açúcar, deixe ferver. Quando ferver desligue imediatamente o fogo e derrame a misture de creme sobre o chocolate picado. Mexa com uma colher de pau até formar uma ganache homogênea, sem partes brancas. Adicione a ganache ainda quente às avelãs já trituradas no liquidificar ou processador e processe mais um pouco, por cerca de 2 a 3 minutos ou até formar uma mistura homogênea ou o mais homogênea possível. Transfira para um pote de vidro e deixe esfriar totalmente. Se a mistura ficar muito mole leve-a a geladeira.

Obs. Se você tiver acesso a uma manteiga de avelãs pura (100% avelãs) substitua as avelãs em natura por 100g de manteiga de avelãs e não adicione óleo ao creme de leite na hora de ferver. É assim que eu faço já que eu uso a manteiga...

terça-feira, 28 de junho de 2011

Verão em Trøndelag...



Verão em Trøndelag não dura, é mais imaginado do que experimentado, passa que a gente nem vê. E por isso temos que aproveitar o que temos, e aproveitamos, como domingo fez sol fomos dar uma banda de carro. Saímos para visitar umas fazendas de orgânicos na parte norte do nosso fylke (região e/ou estado), fomos atrás de umas alfaces e rúculas orgânicas para "nosso lojinha". E ainda visitamos uns mercadinhos, brechós e almoçamos em Frosta, um município 100% agrícola onde concentra-se um grande número de fazendinhas orgânicas. Almoçamos num restaurante que funciona na fazenda Valberg. O restaurante fica dentro de um galpão da fazenda, totalmente restaurado e que também serve de salão de festas, café e restaurante. Clique no link para ver algumas fotos do galpão onde almoçamos. Eu super recomendo o restaurante para quem circular por aqui, a comida é típica norueguesa, trønder e deliciosa.



Detalhes da entrada e da decoração da fazenda Valberg, onde almoçamos...aos domingos eles oferecem um buffet, maravilhoso por sinal, tudo produzido integralmente com produtos de Trøndelag... coisa rara neste país frio. Não consigo tirar fotos dos pratos quando eu estou comendo, falha minha...



Ruínas de um convento medieval de 1250 na ilha de Tautra, Nord Trøndelag. E você pode ler umas linhas no link sobre o antigo convento Tautra Abbey aqui e sobre a nova versão do velho convento aqui.



Ilha de Tautra & Frosta Kommune, Nord Trøndelag...


Ilha de Tautra & Frosta Kommune, Nord Trøndelag Fylke...





Frosta e Levanger Kommune, Nord Trøndelag, Noruega.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Foccacia de azeitonas, pãezinhos e bolo de banana com pedaços de chocolate para viagem...



Esta postagem é velha, estava guardada na "gaveta" desde o verão passado, quando Per e eu viajamos sozinhos de carro até à Suíça. As delícias que ilustram a postagem foram produzidas para a cesta de piquenique da viagem que foi, diga-se de passagem, uma longa viagem. Infelizmente tudo o que levamos só foi suficiente para a primeira parte da viagem e antes de cruzarmos a fronteira sul da Noruega já tinham acabado...

Ao lembrar dessa nossa viagem me deu vontade viajar de novo, de carro. Adoro "road trips". As delícias aqui publicadas foram preparadas especialmente para a ocasião: foccacia de azeitonas com sal vermelho do Havaí, sanduíche de salada de ovo em pãezinhos tipo baguetinha e bolo de banana com pedaços de chocolate. Para acompanhar levamos café e suco de maça com abacaxi.



As receitas da foccacia é a minha receita de pizza adaptada e regada com bastante azeite. A receita do pãozinho de sanduíche é adaptada de uma receita de pãezinhos de limão do livro Dough, do padeiro francês radicado na Inglaterra Richard Bertinet.




Foccacia de azeitonas

500 gramas de farinha
7 a 10 gramas de fermento fresco para pão
1 colher de chá de sal (use mais se achar que precisa)
350 ml de água em temperatura ambiente
2 colheres de sopa de azeita + azeite a gosto para finalizar
Sal grosso a gosto
Azeitonas a gosto

Como:


Num pote grande coloque a farinha e por cima esfarele o fermento fresco. Esfregue os pedaços de fermento com as mãos até fomar uma farofa fina. Adicione o sal e misture. Se for usar fermento seco apenas misture o pó do fermento com a farinha usando uma colher. Num pote misture a água e o azeite e adicione à farinha. Usando as mãos comece a misturar até incorporar totalmente e formar uma massa grudenta. Quando a mistura estiver totalmente incorporada trabalhe a massa por 5 a 7 minutos ou até que ela fique bem macia e solte totalmente das mãos. Mas nada de violência com a massa. Estique-a e dobre ao meio até formar uma massa macia. Depois de trabalhar por uns 5 minutos transfira a massa para uma superfície levemente esfarinhada e trabalhe a massa por mais um minuto. Faça uma bola com a massa, dobrando as bordas para baixo. Salpique farinha no pote, coloque a massa e cubra. Deixe a massa crescer coberta, em local protegido do frio, por pelo menos 45 minutos. Depois que a massa tiver crescido divida-a em divida duas partes e usando as mãos abra dois quadrados ou retângulos. Unte duas formas retangulares com bastante azeite coloque a massa aberta com as mãos. Cubra e deixe crescer por mais 20 a 30 minutos. Cada parte rende uma foccacia retangular grande.


Asse por 20 minutos a 220C em forno bem quente.





Bolo de banana com pedaços de chocolate


Receita já foi publicada aqui

60 gramas de manteiga em temperatura ambiente
1 copo de açúcar
2 ovos grandes
4 bananas maduras amassadas (usei 3 bananas d'água grandes)
250 ml de creme azedo (aí é que está, se não tiver creme azedo use iogurte, kefir, cultura, coalhada, creme de leite, leite ou água mesmo)
2 copos de farinha de trigo
2 colheres de chá de fermento em pó
uma boa pitada de sal
1 colher de chá de extrato de baunilha (opcional)
100 gramas de chocolate ao leite ou chocolate amargo picado (dessa vez eu usei um pouco de cada um dos tipos de chocolate)


Como:


Aqueça o forno a 180C. Unte um forma média do formato que preferir com manteiga e salpique farinha.

Bata bem manteiga e açúcar. Adicione os ovos e bata mais um pouco até formar um creme bem clarinho. Adicione as bananas amassadas e bata até incorporar. Misture farinha, sal e fermento e adicione um copo de farinha. Adicione então o copo de creme (ou leite) e por fim adicione o segundo copo de farinha. Adicione a baunilha e mexa para incorporar. Adicione os chocolates ou frutas secas, um de cada vez e mexa com uma colher de pau para incorporar.

Transfira a massa para a forma ou divida-a nas forminhas de papel sem encher mais do 3/4 da forma. Eu encho apenas metade pois gosto de bolinhos mais baixinhos e por isso rende uns dois bolinhos a mais.

Rende um bolo de tamanho médio.




Pãozinho de sanduíche


500 gramas de farinha
7 a 10 gramas de fermento fresco para pão
1 colher de chá rasa de sal
350 ml de água em temperatura ambiente

Como:

Num pote grande coloque a farinha e por cima esfarele o fermento fresco ou seco, se usar seco. Esfregue os pedaços de fermento com as mãos até fomar uma farofa fina. Adicione o sal e misture. Se for usar fermento seco apenas misture o pó do fermento com a farinha usando uma colher. Adicione o sal à farinha e então a água. Usando as mãos comece a misturar até incorporar totalmente e formar uma massa grudenta. Quando a mistura estiver totalmente incorporada trabalhe a massa por 5 a 7 minutos ou até que ela fique bem macia e solte totalmente das mãos. Mas nada de violência com a massa. Estique-a e dobre ao meio até formar uma massa macia. Depois de trabalhar por uns 5 minutos transfira a massa para uma superfície levemente esfarinhada e trabalhe a massa por mais um ou dois minutos. Faça uma bola com a massa, dobrando as bordas para baixo. Salpique farinha no pote, coloque a massa e cubra. Deixe a massa crescer coberta, em local protegido do frio, por pelo menos uma hora. Depois que a massa tiver crescido divida-a em duas partes.

Abra uma das partes primeiro, usando as mãos até formar um retângulo grande. Enrole o retângulo formando uma torinha com cerca de 60 cm de comprimento e usando uma faca grande corte pedaços da tora no comprimento dos pãezinhos que você deseja fazer. Coloque os pãezinhos cortados numa forma untada e esfarinhada, ou forrada com papel manteiga, salpique mais farinha sobre os pãezinhos, cubra com uma toalha limpa e deixe crescer por mais uma hora. Antes de assar faça, usando uma faquinha bem afiada, faça na superfície dos pãezinhos e leve-os para assar por 15 a 20 minutos em forno muito aquecido a 200C, ou até que estejam levemente dourados.

Rende cerca de 24 pãezinhos.