domingo, 27 de março de 2011

Imagens de uma loja em criação...



Umas imagens da loja para matar a curiosidade de alguns. Se desejar aumentar o tamanho basta clicar na colagem. Ainda há muito trabalho pela frente...

sexta-feira, 25 de março de 2011

Chocolate bonanza...



Estamos na maior correria com a loja. Diga-se de passagem que neste momento atual de nossas vidas tudo é a loja, mas tudo mesmo. Loja, loja e loja. Uma loucura o que a abertura de um negócio desses pode significar na vida das pessoas envolvidas. Fico pensando que se estivesse começando um café, por exemplo, para servir cafés com leite, chás, chocolate e chás com leite, bem, meu negócio já estaria aberto e funcionando a mil. Mas uma loja é um embaço. Uma demora. Num café eu teria enchido o espaço de mesas e cadeiras, uma decoração "mu-derna", escolhido umas louças bacanas, um maquinário de fazer café, um forno, uma máquina de lavar louças e pronto... A gente abriria e funcionaria lindamente e já estaríamos tudo em cima a esta altura.




Uma loja como essa que eu quero fazer, que tem como base uma seleção de produtos orgânicos de alta qualidade, mas difíceis de achar, especiais, mas de distribuição irregular, oriundos de todos os cantos do planeta, mas sujeitos ao bom humor e/ou falta de entusiasmo do produtor/distribuidor, é uma loucura. Nossa loja ainda não abriu e já tem quase 200 produtos diferentes e pelo menos outros 200 ainda estão de fora por dificuldades e/ou falta de empenho do revendedor/produtor no local de origem.

É uma maluquice abrir e tocar tudo sozinha e esta louca aqui está tocando sozinha. E ninguém vai me dizer que dá para começar uma loja pequenininha e ir aumentando, que não dá trabalho. Putz, dá um trabalho louco, mas um trabalho legal, apaixonante. É claro que nada que é bom nasce pronto, nem surge de uma hora para a outra. Não. A procura por fornecedores de qualidade, confiáveis e eficientes é sem fim e, além disso, tudo é longamente procurado, pensado e calculado antes de ser adquirido para ser colocado na prateleiras. E ainda há um monte de coisas legais que os produtores parecem que não querer me deixar colocar nas prateleiras.




Enfim, minha lojinha vai crescer aos poucos... Um espécie de armazém onde além de fazer compras a pessoa vai poder sentar e tomar um café ou um suco. Serão duas mesinhas com tres cadeiras cada mesa, mas vamos ter mesinhas. Esperamos crescer aos poucos e vocês podem começar a torcer que precisamos de apoio e de torcida. Mas aí, no meio do caos da reforma, das caixas e pacotes, um feliz acidente.

Nosso pedido dos chocolates Valrhona chegou, caixotes cheios de chocolate, quilos e mais quilos de chocolate Valrhona orgânico em diversas graduações de cacau. Mas ali no meio dos pacotes havia um problema, o distribuidor me mandou um pacote de 3kg de Andoa Lactée vencido!!! Pois é, mandou sim! E mandou outras coisas erradas também. Enfim, é preciso atenção com o povo da Valrhona. Entre os chocolates um pacote com data de vencimento para Março/2011. Ora, eles sabiam que nossa loja abrirá só em abril e como é que me mandam um chocolate ao leite com vencimento para março? Para a alegria das crianças.




A farra do chocolate que vai vencer começou depois que eu liguei para a Valrhona em Oslo para reclamar e a moça envergonhadíssima garantiu que um novo pacote com uma data de validade decente iria sem enviado naquele momento. Eu perguntei se poderia enviar o pacote vencido, deixando claro que eu queria saber se eles iriam pagar os custos da devolução do pacote. E a moça, muito gentil me falou:

Olha, o chocolate está com a data vencida mas isso não quer dizer, de forma alguma, que o chocolate está ruim. O chocolate ainda pode ser consumido com segurança mesmo que vocês não possam vende-lo. Vocês podem ficar com esse pacote de graça"

E sabe o que ganhamos de graça em plena quarta-feira de tempestade de neve: um pacotão de 3kgs de Andoa Lactée 39% de cacau orgânico e produto de comércio justo, com uma semana para vencer mas ainda deliciosamente saboroso. Parece que a Valrhona tem uma política de produzir chocolates com datas de validade relativamente curtas se comparadas com outras empresas do setor para garantir que o chocolate vai ser consumido fresco.



A bonanza, totalmente controlada, enlouqueceu as crianças. Eu cheguei em casa e falei: Povo, trouxe chocolate! E ao leite! (importante mencionar o fato de não ser amargo) e terminei: E dizem por aí que é um dos melhores chocolates do mundo. Quero a opinião de vocês. Depois de devorarem diversos pedaços deram o veredito: não é o melhor do mundo não, é o melhor do universo. Parecem cansados do sabor marcante do Freia ao leite. Eles amaram e eu também pois é muito bom mesmo. O chocolate ao leite Andoa Lactée Valrhona é muito melhor do que o chocolate amargo da mesma marca... mas muito melhor mesmo. Reforçando uma tese minha que diz que se conhece a qualidade de uma fábrica de chocolate pela qualidade do chocolate ao leite. Amargos com altos percentuais de cacau, cheios de notas e rota de origem detalhada é fácil, mas fazer um bom chocolate ao leites é coisa de mestre. Mas isso é outra conversa.

Obs: Nossa loja venderá toda a seleção de produtos Valrhona orgânicos...

segunda-feira, 7 de março de 2011

Bolo cremoso de doce de abóbora com coco



Quando eu comecei a fazer este bolo a idéia era fazer um petit gateau de doce de abóbora com coco e havia uma certa urgência no projeto. Explico. Chegamos de viagem e eu lembrei que ainda tinha um potão de doce de abóbora na geladeira que apesar de guardado num pote vedado já estava ali desde novembro e por isso, bem, por isso precisaria acabar com ele rapidamente.

Eu acho que a melhor receita para usar doces ou geléias que estão sobrando em casa é derreter o doce em questão com a metade do seu peso de manteiga, adicionar uns ovos e um tanto de farinha e um tantinho de açúcar e assar em forma de petit gateau. Este é o que eu chamo de método Carla Pernambuco de fazer petit gateau além de infalível ele serve para tudo.





Mas o problema é que petit gateau, daqueles que ficam líquidos por dentro e crocantinhos por fora, são chatinhos de assar e de conservar. Você precisa tomar conta do tempo para não assar demais e cozinhar a massa por inteiro. Além disso petit gateau bom é aquele servido fresquinho, ainda quente, já que depois que esfriam eles ficam mais secos por dentro. Acho legal para festas ou jantares, quando há bastante gente em casa. Numa noite simples a melhor alternativa foi assar a massa do petit gateau como um bolo cremoso comum.

O problema em transformar uma massa mais líquida e mais gordurosa do petit gateau num bolo cremoso denso é que não é qualquer forma que serve para assa-los. O ideal são formas rasas, tabuleiros retangulares ou quadrados baixinhos e formas de torta sem fundo solto pois eles facilitam o cozimento da massa por igual, assando rapidamente e assim o bolo mantém a cremosidade. Forminhas individuais devem ser acompanhadas de perto para evitar que queimem ou sequem demais os bolinhos. Tabuleiros mais fundos, tipo forma de bolo inglês ou de forma de pão demoram mais para assar o centro da massa e precisa atenção para evitar queimar o fundo, ressecar o resultado final, o outro risco que se corre é o de acabar com um petit gateau gigante nas mãos.

O bolo cortado em barrinhas fica uma delícia puro, frio ou servido quente com sorvete, exatamente como um petit gateau convencional.


Bolo cremoso de doce de abóbora com coco


500 gramas de doce de abóbora com coco
250 gramas de manteiga sem sal
5 ovos
2 dl de açúcar de confeiteiro peneirado
2,5 dl de farinha de trigo peneirada


Como:


Numa panela sobre fogo baixo coloque a manteiga e o doce de abóbora e aqueça até que ambos derretam formando uma mistura lisa e líquida. Você não vai precisa aquecer demais pois a manteiga derrete rápido e não deixe ferver de jeito nenhum. Se preferir use o microondas. Deixe a mistura esfriar levemente antes de adicionar os demais ingredientes. Adicione então ovos, um a um, mexendo com uma colher de pau ou fouet. Depois adicione o açúcar e a farinha e mexa com uma espátula até incorporar totalmente. Transfira a massa para um tabuleiro retangular baixo, untado com manteiga e depois forrado com papel manteiga também untado. Asse em forno pré-aquecido a 180C por 30 minutos ou até que um palito saia seco.


domingo, 6 de março de 2011

Adeus com figos ao creme



Estamos de volta a este norte frio e distante, mas com a cabeça e o coração no sul. O tempo voa quando a gente está se divertindo, quando é verão ou quando a gente está de férias, não acham? E conosco não foi diferente. A viagem foi curta e por ter sido meio fora de época passou ainda mais rápido. As crianças precisaram ficar fora da escola e foi muita correria para concluir trabalhos de casa no Brasil e ainda organizar todas as tarefas antes e durante a viagem.



A volta torna as coisas ainda mais difíceis pois além do coração partido pela separação da família, ainda temos que enfrentar mais um período de adaptação a realidade e ao universo nórdico, além, é claro, do desagradável fuso horário de quatro horas. Este final de semana foi calculado para servir como período de adaptação, um curto período de adaptação, mas nossas cabecinhas continuam batendo de frente com o coração e a paisagem branca diante de nossos olhos. Estamos com neve até os joelhos e pensar que hoje é domingo de carnaval e que até anteontem estávamos literalmente zanzando pelos embalos pré-carnavalescos Rio.




Entre as muitas coisas boas que comi no Brasil aproveitei para matar a vontade de comer figos. Aqui simplesmente não á chance de compra-los. Estão sempre horrorosos e mesmo assim custam os olhos da cara. Achei muitos figos no Rio e os das fotos são da banca de frutas de um senhor muito simpático que tinha tudo de bom: banana prata, figos, caquis, fruta de conde e goiabas vermelhíssimas. O sonho de uma carioca expatriada. Os figos eu gosto de comer puro mas esses foram sobremesa e foram servidos descascados e com creme de leite bem gelado misturado a um pouquinho de açúcar de baunilha.



Ao que tudo indica amanhã será uma segunda feira difícil...vai ser um sacrifício acordar cedo e levar as crianças para a escola.