domingo, 28 de fevereiro de 2016

Suksesstert, a Torta Sucesso Norueguesa...



Aqui a receita de uma torta norueguesa clássica, ultra popular e facílima de fazer e que leva apenas cinco ingredientes (ovos, açúcar, amêndoas, manteiga e creme de leite). Uma torta que é chamada de Suksesstert, o que significa Torta Sucesso. Eu fiz esta torta para levar para a minha sogra, no dia das mães daqui, que foi há duas semanas. Minha sogra estava internada no hospital, e fomos visitar e celebrar com ela. Mas, como não éramos muitos, não foram comidos muitos pedaços e eu trouxe o que sobrou da torta de volta para a casa. Mas não deixe o fato de terem sobrado pedaços de torta afetarem seu julgamento. Não tenha dúvida, esta é uma torta muito boa e merece ser experimentada, ainda que seja uma torta muito doce. O motivo de ter sobrado tanta torta deve-se ao fato de que nem todo mundo aqui em casa que come dela. Eu acho boa, mas acho doce demais, Estela não gosta da cobertura de ovo e Knut é alérgico a nozes. No fim a torta acaba sobrando para o Per e o Tormod. Eu provei apenas, uma colherada, mas não aguentei comer. Mas o pessoal que comeu falou que estava sensacional...




Curioso, mas eu não costumo postar muitas receitas norueguesas, e não sei explicar o motivo. Uma pena pois eles tem uma culinária sensacional e cada dia mais reconhecida globalmente. Vocês sabiam que Noruega só perde para a França no número total de chefes vencedores e premiados no Bocuse D'or? A Noruega totaliza nove prêmios, sendo cinco vencedores do primeiro lugar, enquanto a França totaliza 11 premiados e oito primeiros lugares. Pois é, essa pequena nação ao norte de tudo é uma imensa fonte de talentos culinários e uma cozinha super interessante.





A Suksesstert (Torta Sucesso) é feita tradicionalmente em dias de festa, principalmente na Páscoa, por ser amarela. Uma curiosidade norueguesa, tudo que diz respeito a Páscoa é sempre amarelo, inclusive bolos e doces. Eles levam super a sério a coisa do uso das cores reservadas para os feriados. Natal é vermelho e Páscoa amarela, e não se fala mais nisso. Eu, como boa estrangeira, naturalmente, quebro as tradições com frequência e já fui chamada a atenção por isso. A gente nunca encaixe de verdade num país estrangeiro, sério, mas isso é conversa para outra postagem. Mas é um bolo feito no período que vai do inverno (Natal) a começo da primavera (Páscoa), quanto ainda está bastante frio por aqui, pois esse um creme de gemas que cobre a torta é todo a base de manteiga e derrete bem rápido se não for mantido refrigerado e aqui as casas são quentes, por conta do aquecimento, mesmo que esteja frio lá fora...





A receita que eu apresento aqui é uma receita que peguei com minha cunhada, que ela me diz que pegou no livro da minha sogra que preparava regularmente esta torta. Mas o fato é que a receita da minha sogra é exatamente idêntica a todas as receitas de Suksesstert que aparecem em livros, revistas e sites. Você pode ver algumas receitas aqui, aqui e aqui. Se você for parecida comigo, vai achar interessante clicar no links apenas para ver as fotos das tortas, mesmo que você não entenda o que está escrito. Um outra curiosidade norueguesa: as receitas costumam ser idênticas em todo lugar. Se você for procurar uma receita brasileira na internet, vai achar as mais diversas versões, já as receitas norueguesas costumam ser iguais em todo lugar, muito curioso...





Suksesstert (Torta Sucesso)


4 ovos
150g açúcar confeiteiro + 125g açúcar branco
150g amêndoas
100ml creme de leite
150g manteiga
Extrato natural de baunilha (opcional)
Amêndoas moídas para decorar (opcional)


Como:

Pese o açúcar de confeiteiro e as amêndoas inteiras, com casca, e coloque tudo num processador e processe até formar uma mistura homogênea sem pedaços grandes de amêndoas. Separe os ovos e coloque as gemas numa panela de fundo grosso e reserve. Coloque as claras num pote grande e usando uma batedeira de mão batas claras até obter um suspiro bem estável, com picos duros. Adicione a mistura de açúcar e amêndoa moída ao suspiro e, usando uma espátula, mexa para incorpora totalmente. Transfira a mistura uma forma redonda com cerca de 24-25cm de diâmetro e leve ao forno pré-aquecido a 180C. Asse a base por 30 a 40 minutos, até que fique levemente dourada. Não deve assar demais, para não deixar a massa seca demais. Retire do forno e deixe esfriar.

Enquanto a base está assando, volte a panela com as gemas e adicione o creme de leite, o açúcar e a baunilha (se for usar) e leve ao fogo baixo. Usando uma colher de pau, mexa a mistura de gemas sem parar até que a mistura comece a querer ferver e comece a engrossar. Não deixe a mistura de gemas ferver, se ferver poderá talhar em questão de segundos. Por isso, se você achar que está esquentando demais e não está engrossando, retire a panela do fogo, continue mexendo para reduzir a temperatura e depois leve a panela de volta ao fogo para engrossar, sempre tomando cuidado para não ferver. Gemas com açúcar em calor engrossam facilmente, o que significa que você não vai ter problema para atingir o ponto de creme, o cuidado deve ser com a temperatura, para não ferver.

Assim que a mistura engrossar, retire do fogo e deixe esfriar levemente, mas não totalmente. Quando o creme de gemas estiver morno, adicione a manteiga e, usando um fouet ou uma colher de pau, bata vigorosamente para incorporar a manteiga a misture de gemas. Deixe o creme de gemas esfriar totalmente, em temperatura ambiente. O ideal é deixar o creme de gemas e a base da torta assada esfriarem ao mesmo. Quando creme de gemas e massa de amêndoas estiverem frias, coloque o creme sobre a massa. Se desejar, abra a massa ao meio e coloque uma parte do creme como recheio. Se a massa ficou fina demais para cortar ao meio, use o creme de gemas como cobertura apenas, fica bom do mesmo jeito.

Importante, você não quer deixar o creme de gemas com manteiga na geladeira pois vai endurecer demais e vai ser difícil e espalhar na hora cobrir a massa da torta. Se estiver um dia quente demais, coloque o creme na geladeira mas fique de olho para não endurecer demais. Depois que você tiver coberto a massa da torta com o creme, coloque a torta coberta na geladeira para a cobertura endurecer.

Rende 8 porções.


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Bolo de Chocolate com Banana e Pedaços de Chocolate



Uma receita muito simples, de um bolinho de banana básico que tornou-se o favorito aqui em casa. Um bolo que eu comecei a fazer para salvar bananas muito maduras, aquelas bananas ultra pintadas que sobram na fruteira e que ninguém se interessa em comer. Como não gosto de desperdicio, quem gosta? Aproveitei para fazer este bolo que tem como principal ingrediente bananas maduras. E esse é o segredo deste bolo, além, é claro, de um pó de cacau de qualidade, nada de achocolatados, nem cacau adoçado. Como sempre, eu faço bolos para agradar o pessoal aqui em casa, para suprir a necessidade de um docinho nas tardes frias, mas eu não como. Eu praticamente já não como mais bolos. Eventualmente posso provar um pedaço, na casa de alguém, numa festa, mas uma ou duas mordidas e, em geral, deixo de lado o resto. Minha tolerancia ao açucar está bem pequena e não me dá nem vontade.




Além das bananas, esse bolo também leva um pouco de açúcar mascavo. Mas para quem prefere um bolo menos doce, dá para usar apenas bananas, já que bananas maduras são muito doces e fazem muito bem o serviço de adoçar bolo. Usei açúcar mascavo no lugar do açúcar branco pois acho que além de menos doce, o açúcar mascavo ajuda na textura final. Para dar o sabor suave e cor intensa usei cacau Valrhona que é o melhor cacau que eu conheço para bolos. O cacau Valrhona é levemente alcalinizado, passado por um processo de tratamento que reduz o amargo e o acido do sabor do cacau natural e reforça significavamente a cor do po de cacau. Esse processo é conhecido como Processo Holandês, pois foi inventado por um fabricante de chocolates da Holanda em 1840. Esse processo altera o sabor e a constituição do cacau, o que faz com que esse tipo de cacau seja indicado para certas receitas, mas não recomendado para outras, como por exemplo, para fazer chocolate quente em casa. Ainda que a industria use esse tipo de cacau na produção de licores e bebidas a base de cacau. Mas o cacau em pó alcalinizado é interessante na hora de assar doces pois ele é menos amargo e tem uma cor bem mais intensa.





Entre os aspectos negativos do processo de alcalinização do cacau está o fato deste processo reduzir significativamente a quantidade de antioxidantes do cacau (Polifenóis). Os pós de cacau "levemente" alcalinizados contém entre 20 e 40% da quantidade de antioxidantes encontrados no cacau natural, enquanto os pós de cacau altamente processados não contém mais nenhum traço de antioxidantes. Este processo também impede a certificação do produto como orgânico e, por isso todos os cacaus orgânicos são necessariamente naturais, não são alcalinizados. Portanto, para quem deseja consumir um bolo de chocolate e ainda suprir o corpo com uma boa dose de antioxidantes, o melhor é usar apenas o cacau natural, de cor mais avermelhada e sabor mais intenso. Na hora de se fazer um bom chocolate quente, o melhor resultado ainda vem do cacau natural, sem tratamento algum, feito a base do cacau tostado e moído sem processamento. Na minha opinião o chocolate quente de cacau alcalinizado não tem muito sabor e, por essa razão é largamente utilizado pela industria, que adiciona montanhas de açúcar às suas bebidas. Como eu só aprecio chocolate quente sem adição de açúcar, acho mais saboroso aquele feito com cacau natural. AO mesmo tempo, eu acho que o cacau alcalinizado tem o seu valor e pode e deve ser utilizado em algumas receitas para beneficio dessas. Como é o caso desse bolinho...




Bolo de Banana com Chocolate e Pedaços de Chocolate


2 ovos grandes
125ml de oleo ou 125gr de manteiga
1,25 DL (meia xícara) de açúcar mascavo
2,5DL farinha de trigo
1 DL cacau puro em pó
3 Bananas maduras amassadas
1 colher de chá de fermento em pó
100 gramas de pedaços de chocolate (opcional)
1 colher de sopa de extrato natural de baunilha

Como:

Coloque o óleo e o açúcar num pote grande e usando um batedor de mão (fouet), ou uma colher de pau, bata o açúcar e o oleo até formar uma mistura levemente espumada. Adicione os ovos, um de cada vez, batendo bem até formar uma mistura emulsificada e homogênea. Adicione o cacau em pó misture bem para incorporar. Com um garfo amasse as bananas num prato grande, amasse bem amassadinhas, para não deixar pedaços grandes na massa e adicione a massa de bananas à massa de cacau. Misture bem para incorporar. Adicione o extrato de baunilha e misture um pouco mais. Adicione a farinha, em partes e, por fim, adicione o fermento. Bata mais um pouco até ficar tudo bem homogêneo. Por fim adicione os pedaços de chocolate, se for usar. Asse em forno pré-aquecido a 180C e asse por 25 a 30 minutos ou até que um palito inserido no centro da massa, saia seco.


Obs. O cacau alcalinizado, por ter perdido sua acidez natural durante o processo holandês, não cresce mediante a adição de bicarbonato de sódio. Para que o bolo com cacau alcalinizado cresça perfeito, é preciso usar fermento em pó, ou adicionar algum tipo de cultura, creme azedo ou iogurte à massa.





domingo, 7 de fevereiro de 2016

Financiers de Coco Ralado com Framboesas (Sem Nozes e sem Lactose)




Financier é o nome de um bolinho francês mundialmente famoso e cuja receita mais tradicional leva farinha de amêndoas na massa. Apesar do financier ter ficado famoso, a receita desse bolinho de amêndoas é muito comum em diversos países da Europa e do Oriente Médio. Mas, como a culinária francesa tomou dimensões gigantescas, se espalhou pelo mundo e é admirada e cultivada em todo canto, esse bolinho de amêndoas ficou internacionalmente mais famoso do que os outros bolinhos de amêndoas do mundo. Eu adoro financiers, me agrada demais a textura densa, levemente grossa e úmida desses bolinhos de amêndoas assados sem fermento, sem gemas (levam apenas claras) e sem leite e é por isso que sempre tem financiers aqui em casa.





Entre os requisitos básicos do financier está a adição da farinha de amêndoas, que pode ser substituída por farinhas feitas a base de qualquer outro tipo de nozes e castanhas. Dá para usar literalmente todos os tipos de castanhas e nozes no lugar das amêndoas e a receita permanece igualmente sensacional. Aqui no blog mesmo você encontra a receita tradicional de financiers de amêndoas, de financiers de avelãs, de de castanhas de cajú e de pistaches.





Eu não tenho comido bolos, evito açúcar sempre, mas faço sempre bolos para a família, e fiz esses para o aniversário do meu enteado, que fez aniversário há algumas semanas. Mas como meu enteado é totalmente alérgico a nozes e castanhas, eu faço financiers com farinha de coco ralado quando ele vem nos visitar, ou quando vamos visitá-lo. Há quem possa ver a receita de financier feita com farinha de coco ralado como uma deturpação da receita francesa e, de certa forma é, mas também é uma deliciosa alternativa. E bem mais em conta considerando que o preço do kg do coco ralado comparado ao do kg das amêndoas importadas.

Mas não brinco com coisa séria. Assim como os macarons franceses podem ser produzidos usando farinhas de sementes diversas e de coco seco, sem perder em nada na textura, o financier também pode ser feito com farinha de coco que, como as farinhas de nozes, contém alto conteúdo de gordura. O alto teor de gordura da farinha é que faz a diferença tanto na receita de financiers como na receita de macarons. Os Macarons de Coco Ralado que eu faço ficam simplesmente maravilhosos, e esses financiers de coco, apesar de aparentemente secos, também não deixam absolutamente nada a desejar e não contém nem lactose, nem nozes. Ficam perfeitos, com a mesma consistência densa e grossa dos financiers tradicionais.

Quer brincar de macarons e financiers e correr os riscos de errar sem pagar caro? Use coco ralado...






Financier de Coco Ralado com Framboesas Sem Lactose e sem Nozes e Castanhas



2,5DL (uma xícara) de coco ralado seco
2 DL (3/4 de xícara) de farinha de trigo (se preferir use uma farinha sem glúten)
2 DL (3/4 de xícara) de açúcar de confeiteiro150g de claras de ovo (4 a 5 claras)
150g de manteiga de coco (se preferir use manteiga comum)
Meia colher de chá de de baunilha em po ou 1 colher de sopa de extrato natural de baunilha ou raspas de meia fava de baunilha


Como:


Num processador, ou num moedor de café, processe o coco ralado até formar uma farinha fina. Adicione aos pouco o açúcar e a farinha de trigo e processe até formar uma farinha bem fina e reserve.

Numa panelinha derreta a manteiga de coco e adicione a baunilha em pó, ou as raspas de uma fava, e deixe cozinhar em fogo bem baixo por uns 10 minutos, para a manteiga absorver bastante o sabor da baunilha. Se for usar extrato de baunilha, adicione o extrato no final. Retire do fogo e deixe amornar.

Coloque as claras num pote grande e bata levemente com um batedor de mão. Você não quer claras em neve, você quer apenas espumar as claras, para quebrar a consistência gosmenta delas. Quando as claras estiverem espumadas, adicione a mistura de coco, farinha e açúcar e, usando o batedor (fouet) mexa bem até incorporar totalmente e formar uma mistura grossa. Adicione por fim a manteiga de coco derretida, levemente morna e, usando uma espátula ou colher de pau, mexa suavemente, sem parar, até incorporar a manteiga totalmente a massa. Quando manteiga estiver totalmente incorporada, adicione o extrato de baunilha e mexe um pouco mais (se estiver usando extrato). Leve a massa a geladeira e deixe gelar por pelo menos uma hora. Você não quer gelar demais pois a manteiga/óleo de coco endurecem demais, mais do que manteiga de creme de leite e vai ficar difícil transferir a massa para as forminhas.

Quando for assar, retire a massa da geladeira, aqueça o forno a 180C e unte 24 a 30 forminhas de empada ou de tartelettes ou de pudim com bastante óleo de coco ou manteiga de coco ou outro óleo neutro. Coloque uma colher de sopa bem cheia de massa nas forminhas, a massa deverá estar levemente dura, pressione um pouco para nivelar a massa e coloque uma ou duas framboesas no centro do bolinho.

Leve para assar por 15 a 18 minutos.


* Tempo e rendimento dependem do tamanho das forminhas usadas.
** Recomendo não encher demais as forminhas pois esses bolinhos crescem no centro, formam uma barriguinha e ficam melhores se mais finos.




No lugar de manteiga comum eu usei manteiga de coco, mas você pode usar uma mistura de óleo de coco e manteiga de coco. A manteiga de coco eu deixei cozinhar com a baunilha em fogo baixo para aromatizar. Eu usei a manteiga de coco que aparece na foto, é mais um creme de coco, com sabor maravilhoso, e que resiste muito bem a temperaturas altas.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...